DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

DBM Universos do "Futuro" (12 e 14): Twin Pain

Escrito por Foenidis

Adaptado por Henrique e Felipe

Nesse mundo alternativo de onde Mirai Trunks vem, todos os nossos heróis foram mortos pelos ciborgues... Esta história conta os detalhes desses acontecimentos, sobre uma parte em comum aos universos 12 e 14.

1234567891011121314151617181920212223242526
[Chapter Cover]

Traduzido por Henrique


Son Gohan veio também, um rugido autoritário estava soando em seus ouvidos.

"FAÇA NOVAMENTE!"

O jovem rapaz, cansado, aleijado com dor, segurou um gemido quando ele se levantou. Em um esforço final, ele olhou para o lutador incansável que estava esperando dele um pouco mais, o mestre severo que não aturava qualquer queixa, qualquer fraqueza.

Sua convivência durante esses longos meses havia lhe ensinado como reconhecer as pequenas variações nos humores do seu parceiro de pavio curto.

Agora ele sabia como detectar pequenas fendas através da qual ele raramente conseguia pegar um vislumbre do coração bem escondido do Saiyajin que quase tinha um comportamento paternal de vez em quando. Alguns gestos retidos de afeto, raros, é verdade, mas tão reconfortantes, tão bem-vindos. Pequenos espetáculos momentâneos de atenção que agradara a criança que havia sido brutalmente arrancado do bóson de seus amorosos parentes.

Mas o momento não era de ternura. Aquele olhar, ele sabia sobre isso também. Isso era o que ele tinha quando ele não iria conceder-lhe a simples indulgência.

Enquanto ele levantava seu corpo golpeado... Gohan seguiu a trilha de seus pensamentos. Ele tomou seu tempo, aproveitando esta preciosa pausa para recuperar o fôlego...

Ele não se segurou contra Vegeta por ser tão inflexível... Ele sabia que ele estava certo para levá-lo em um canto, empurrá-lo para longe, além de seus próprios limites... além de sua raiva, sua própria frustração... O mesmo que Piccolo tinha feito todos esses anos atrás.

Gohan estava agora de pé em linha reta, os olhos escurecidos do jovem Saiyajin estavam com uma determinação furiosa... Ele cerrou os seus punhos enquanto ele submetia seu corpo doloroso à dor ardente de outro esforço que estava para inflamar a menor de suas células.

Ele gritou como se fosse para ajudá-lo para aliviar o cansaço e a dor dessas longas horas de luta intransigente, e deliberadamente não se preocupava com o aflição ardente que cada parte de seu corpo estava enviando para seu cérebro. Agora, tudo o que ele queria sentir era o calor da energia subindo nele, esse afluxo que se parecia como um fluxo de lava fundida, esta onda de pura força que, de repente pôs a sua aura e cabelo em chamas, uma luz resplandecente e dourada.

Sim! Foi sem dúvida graças à intransigência cruel desse mestre imposto que ele tinha conseguido chegar a este nível incrível.

Um nível que ele nunca pensou que ele seria capaz de alcançar sem a determinação e teimosia deste senhor inflexível. O mesmo que friamente tinha dito a ele:

"Você vai ser digno de seu pai ou você não vai deixar este lugar vivo!"

E a criança tinha compreendido imediatamente que não era uma piada. Ele tinha segurado as lágrimas, pensando na tristeza de sua mãe, sua mãe, que foi deixada sozinha. Ele estava convencido de que ele nunca iria vê-la novamente. Como ele iria corresponder a esse guerreiro fantástico que ele tinha idolatrado? Como ele poderia ter sobrevivido aos ataques furiosos de Vegeta, que estava quase louco por causa da frustração de uma luta que ele sempre sonhou e que a morte de Goku tinha o privado? Este Super Saiyajin humilhado por apenas duas máquinas quando ele tinha retornado.

Ele tinha tomado várias surras memoráveis, uma grande quantidade de sangramento e ossos quebrados para o jovem a entender que, na verdade, o guerreiro inflexível sempre se segurava quando teve que atingir seu limite extremo.

Ele finalmente lhe disse que não ia matá-lo até que ele tivesse certeza de que ele não seria capaz de alcançar seu objetivo. Toda essa dor valeu a pena o pouco descanso que lhe foi oferecido dessa maneira? O jovem lutador estava constantemente dividido entre um sentimento de desânimo profundo e amargura de acreditar que ele foi vítima de tanta crueldade.

Talvez seria melhor ir para onde papai tinha ido! Mas então, quem iria proteger mamãe?

E então, este dia havia chegado, neste dia, quando ele tinha saído de um coma negro. Ele tinha interceptado o olhar preocupado do príncipe, o príncipe que se inclinou sobre si com preocupação em seus olhos que ficavam dificilmente abertos. Ele não se moveu, então ele sentiu como carinhosamente o Saiyajin tinha o levado em seu braço e levou-o cuidadosamente para o abrigo tranquilizador do quarto.

Sim, naquele dia ele tinha finalmente entendido.

Embora ele poderia ter lembrado anteriormente de seu primeiro encontro em Namekusei, este gesto inesperado, a carícia no seu cabelo direito antes de dar um pontapé no joelho doloroso em seu estômago. Lembrou-se do movimento e um "algo" que tinha cruzado os olhos de Vegeta quando ele estava mencionando o que restava de seu povo dizimado. Esse 'algo' que tinha sido subitamente encoberto por uma onda de brutalidade.

Ele notou que o Saiyajin orgulhoso fez tudo o que podia para manter esse "algo" bem escondido, mesmo se os seus atos fez deixá-lo mostrar isso de vez em quando. Esse "algo"... que foi a sua humanidade.

Não, Vegeta não era o monstro frio e cruel que ele queria que todos acreditassem que era. Ele era um homem, com um coração e sentimentos... Um homem, isso que ele é.

Como ele poderia ter esquecido?

Sua mente agora livre do terror e da tristeza profunda que estava o paralisando, até então, o jovem lutador tinha conseguido liberar toda a energia que ele tinha. Ele podia dar livre curso à sua raiva de não poder ir ainda mais longe. Tirando o máximo proveito desta frustração para responder aos pedidos de um adversário que foi sempre mais exigente, sempre mais premente.

Mas não tinha sido suficiente... nem a sua melhoria, não importa o quão enorme aquilo tinha sido, nem a sua determinação, nem sequer o príncipe guerreiro estava fazendo nada apesar disso. O nível precioso permanecia fora do alcance. Uma coisa pouco frustrante que ficava sempre faltando.

E, no final, tinha sido o ataque de raiva de Vegeta que tinha provocado tudo. Um grito de pura raiva que tinha cuspido no rosto de Gohan, como um insulto, desprezo por ele tinha, mais uma vez, não ter conseguido, desta vez mostrando claramente uma súbita onda de desânimo.

"Estou cansado disso. Volte para a sua mãe terráquea, seu bastardo estúpido! Você nunca vai ser um verdadeiro Saiyajin digno!"

As palavras haviam tocado em sua mente com a mordida quente do chicote da infâmia. 'Mãe Terráquea'... Essas foram as palavras que o feriram mais. Elas não pareciam rude em si, mas o tom que ele tinha usado disse muito sobre o que pensava disso.

Que tinha sido demais para uma criança que estava perdendo a ternura de sua mãe, que sentia falta dela de forma tão cruel. É muito para um mestiço que conhecia a profunda ligação que seu falecido pai tinha sentido por este planeta. Tinha sido demais para um garoto que tinha o orgulho de origem Saiyajin correndo em suas veias.

Raiva, fúria, ira... Tudo tinha acontecido ao mesmo tempo. Uma onda incontrolável tinha pegado o filho de Son Goku sob o olhar surpreso de Vegeta.

Ele tinha finalmente encontrado o gatilho. Ele havia tentado de tudo: humilhação, a dor até que era como tortura, a memória de seu falecido pai, descrição de milhões de vítimas, a menção do massacre de sua mãe pelos dois androides... Nada havia funcionado.

E foi então que ele tinha perdido toda a esperança, fez tudo que podia, que o milagre havia acontecido. Suas íris verdes poderiam finalmente ver outros olhos verdes olhando para elas.

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu