DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

DBM Universos do "Futuro" (12 e 14): Twin Pain

Escrito por Foenidis

Adaptado por Henrique e Felipe

Nesse mundo alternativo de onde Mirai Trunks vem, todos os nossos heróis foram mortos pelos ciborgues... Esta história conta os detalhes desses acontecimentos, sobre uma parte em comum aos universos 12 e 14.

1234567891011121314151617181920212223242526
[Chapter Cover]

Traduzido por Henrique


Uma vibração familiar despertou o jovem pensador de seus pensamentos.

Ele estava aqui! Foi ele, ele tinha certeza disso!

Ele logo foi no corredor e em um piscar de olhos, ele tinha sua mão na maçaneta da porta da frente, e num piscar de olhos, sua mãe estava atrás dele, impedindo-o de ir mais longe.

"Onde você pensa que está indo tão rápido? E não minta, eu sei que você não terminou seus exercícios."

O enorme peso do mundo maternal caiu de repente sobre o coração e os ombros do pobre Gohan que não pode ajudar, mas suspirou de cansaço.

"Mamãe, por favor…"

O pedido ressonante de seu filho aparentemente não teve efeito sobre a resistente Chi-Chi que retrucou:

"Por favor, o que? Você não vai ser um grande estudioso se você ir para fora para lutar como um delinquente!"

Gohan não tinha tempo para pensar mais sobre a desculpa que ele estava prestes a opor à defesa maternal quando um rugido abafado de repente fez o chão e as paredes da pequena casa vibrarem, como se estivessem tremendo.

O menino aproveitou a oportunidade e desapareceu tão rapidamente que ele não estava mais aqui quando suas palavras chegaram aos ouvidos de sua surpresa mãe.

"Desculpe-me mãe… Eu tenho que vê-lo!"

A exaltada Chi-Chi não precisava de mais tempo para reagir. Ela foi imediatamente atrás de seu filho, gritando em voz estridente, devido à sua histeria.

"Ver o quê? GOHAAAAN! Volte aqui agoooora!"

Ele não estava tão longe, ele estava parado logo ali. Ela correu mais rápido, sem ter um segundo para pensar sobre o que pode ter parado seu filho, que parecia estar com tal pressa. Mas logo ela parou de correr, assim como ele tinha feito. E, como seu filho, ela olhou fixamente para a figura que estava emitindo um poderoso ki, cuja raiva estava balançando tudo à sua volta.

Vegeta! Ele estava aqui, com uma raiva claramente fervendo dentro dele, com uma raiva em que ele estava tendo em um momento difícil de conter. Vegeta estava aqui no túmulo ainda recente.

O quê ele estava fazendo aqui?

Ele nunca tinha voltado para a pequena casa desde aquele dia tão triste, aquele dia em que ele silenciosamente tinha esperado, taciturno e hostil. Esperou como todos eles tinham esperado, esperou o inevitável, o inaceitável… antes de desaparecer no céu após a notícia horrível. Son Goku tinha morrido, derrubado por uma doença misteriosa, e aquele que gostava de pensar em si mesmo como seu melhor inimigo não conseguiu esconder bem a sua tristeza.

Fascinado pelo enigma vivo que foi este homem diante de seus olhos. Aquele homem para o qual seu marido tinha uma amizade tão estranha. Chi-Chi ainda tinha o reflexo de ir até seu filho para colocar a barreira trivial de suas delicadas mãos sobre os ombros tensos do jovem rapaz.

Não, ela não entendia, ela nunca tinha sido capaz de entender como seu Goku poderia encontrar qualquer coisa agradável naquele ser cruel e arrogante.

Ela olhou para baixo e acariciou o cabelo grosso de seu filho, este menino que, na verdade, sempre falava dele com carinho, como se fosse um velho amigo, um membro da família. Todos eles esqueceram por que ele tinha vindo para este planeta? Esqueceram-se do conquistador cruel, do lutador impiedoso que sonhava com nada mais do que vingança e morte?

Ela olhou de volta para o guerreiro cujos punhos estavam cerrados e cujos dentes estavam cerrados cheios de irritação, um pedaço de raiva que estava fazendo o seu caminho até seu próprio coração.

E Bulma? Como poderia uma mulher tão inteligente cair para o encanto de um homem tão cínico? E o charme para começar? Como poderia um amor encarnar-se com ressentimentos e sentimentos negativos?

E, no entanto, assim foi! Bulma tinha, aparentemente, encontrado o caminho para desenterrar um coração em um lugar onde parecia que não havia nada além de ódio. A mãe de Son Gohan tinha tido a prova disso no dia em que havia conhecido os três no shopping center … Sim, todos os três! Sra. Brief tinha sido como um gato em um telhado de zinco quente, para variar; Bulma tinha sido radiante; e o bebê! Como um encantador bebê, rosa, gordinho e tão cheio de vida.

Ainda que Kulilin lhes tinha dito sobre a estranha familiaridade que estava crescendo entre a cientista inventiva e do príncipe sombrio que estava sendo mantido sob o teto da primeira, ela não queria acreditar.

E isso até o estouro fantástico do riso da Sra. Brief quando Gohan tinha dito, com a inocência peculiar que só as crianças tinham, de que o bebê não se parecia com Yamcha.

E ele não se parecia com Yamcha: aquela pequena maravilha era filho de Vegeta!

Isso era incrível! Esse monstro tão frio tinha sido capaz de deixar-se ser amado! Ela então olhou atentamente para o rosto de Bulma. Nenhuma dúvida sobre isso, ela estava radiante de felicidade. Isso poderia significar que ele tinha o conhecido como um ser amoroso e terno?

Sua instinto feminino estava dizendo-lhe que sim, que ele tinha. Nada além de amor recíproco poderia fazer os olhos brilharem com tanta felicidade.

Mais uma vez, ela olhou com falta de compreensão em direção ao enigma vivo cuja fúria crescente fazia o ambiente tremer cada vez um pouco mais.

Como se eles estivessem infectados por essa raiva, escuras nuvens ameaçadoras enchiam os céus enquanto a fauna freneticamente fugia na mata sacudida pelas furiosas ondas de energia.

As mãos de Chi-Chi, que queriam ser reconfortantes e protetoras, agora estavam cerradas sob o ombro de Gohan, enquanto seu corpo inteiro tremeu.

Compulsivamente, ela trouxe seu filho mais perto dela, pressionando-o contra seu corpo tenso, nervoso devido ao medo, e ela envolveu seus braços agitados em torno de seu filho.

Sim, o medo foi oprimindo enquanto Vegeta parecia soltar tanto a sua fúria e a dos céus no mesmo grito longo.

Em um estrondo furioso, a tempestade de repente rompeu-se. Um relâmpago gigantesco caiu na floresta como uma lágrima rápida enquanto uma chuva forte e quente derrubou sua espessa cortina na pequena clareira.

O rugido do príncipe de todos os Saiyajins ressoou, abafando o barulho do dilúvio, o som surdo do trovão e até mesmo o aplauso afiado do relâmpago.

"POR QUE?"

A poderosa explosão de sua angústia não teve o tempo para desaparecer devido a pressão que o guerreiro parecia lutar para conter acabara explodindo de repente.

Uma enorme explosão de energia pura perturbou o jovem Saiyajin, mesmo estando tenso pela mostra de toda aquela fúria incrível. Um pequeno corpo que estava firmemente ancorado no chão e de que Chi-Chi tinha conseguido se apossar. Em volta deles, todas as folhas foram soprado pelo vento forte que dobraram as folhas e explodiram as janelas da casa por trás deles.

Um vento que cavou uma cratera profunda redonda sob os pés de Vegeta, cuja figura de repente brilhou, iluminado por uma magnífica aura dourada, e cercado por vários pequenos raios, mais rápidos do que alguns flashes.

No momento depois, talvez porque ele tinha esvaziado toda a sua raiva, Vegeta abaixava a cabeça, deixando suas mãos cair sob a chuva pesada cuja batida é abafada pelo som das batidas estranhas de sua energia de Super Saiyajin.

Então, ele perguntou de novo, com um murmúrio que era quase inaudível, quase um gemido.

"Por que?"

E então, como se um raio tivesse o atingido, ele levantou-se e gritou para o túmulo o desafiando.

"É TUDO SUA CULPA!!"

O fogo que alimentou sua aflição aparentemente o deixou, então ele decolou com um rugido de raiva e desapareceu com uma velocidade surpreendente, deixando nada mais do que a trajetória de seu vôo, uma trilha dourada efêmera.

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu