DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

DBM Universos do "Futuro" (12 e 14): Twin Pain

Escrito por Foenidis

Adaptado por Henrique e Felipe

Nesse mundo alternativo de onde Mirai Trunks vem, todos os nossos heróis foram mortos pelos ciborgues... Esta história conta os detalhes desses acontecimentos, sobre uma parte em comum aos universos 12 e 14.

1234567891011121314151617181920212223242526
[Chapter Cover]

Traduzido por Henrique


Curvado para a frente, a face do grande Namekuseijin era tão inexpressiva como sempre. Ele estava de pé perfeitamente imóvel, com sua longa capa balançando no vento suave que estava brincando com o pano de seda na borda da plataforma circular. Ele não mostrou qualquer emoção, embora milhares de pensamentos agitavam-se em torno de sua mente, que não ajudavam a acalmar a sua frustração.

Qual seria a vantagem de mostrar sua raiva, sua raiva, sua incapacidade para os outros? Ele podia ouvir as vibrações distantes dos ataques fatais dos dois degenerados biônicos, que tinham decidido aniquilar um mundo que ele tinha adotado para si.

Era melhor manter esta preciosa energia para mais tarde, para o momento certo. Este momento certamente viria. Ele tinha certeza disso... a não ser que ele estava apenas tentando convencer a si mesmo.

Ele olhou para trás com sua mente e "viu" Yamcha, sentado nas escadas do palácio olhando sombriamente. Ele podia sentir a impaciência nervosa no passo para cima e para baixo de Kulilin e a presença calma e plácida do Sr. Popo que estava esperando com uma serenidade surpreendente.

De qualquer forma, não havia nenhuma utilidade ser impaciente. O tempo não estava certo. Havia apenas um quarto de marcação para terminar o seu segundo turno.

Ele imergiu em sua mente ainda, em vão, ele sabia disso. Era impossível perceber qualquer coisa vinda da dimensão da Sala do Tempo. Mesmo que ele gostasse de colocar um fim à ansiedade maçante que estava torturando a sua mente desde o dia anterior. Desde o momento em que ele tinha visto a pesada porta fechar-se sobre a figura pequenina de seu ex-aluno, o qual considera como seu afilhado, quase como seu filho adotivo.

Ele teria gostado de ir com eles, mas aquele Saiyajin teimoso e arrogante se recusou terminantemente!

Aquele príncipe, cujas maneiras eram insuportáveis, cuja arrogância insolente só era igualada pelo egoísmo incrível que ele ostentava sem qualquer fundamento.

Mas eles precisavam dele, essa era a razão!

Suas pupilas foram para a direita, e ainda assim ele não se mexeu.

Do canto de seu olho, ele podia ver a figura alta, apesar de estar curvada, cujas mãos estavam apertadas em seu cajado sagrado retorcido. Era claro que ele estava tão ansioso quanto ele.

Numa reflexão estranha de uma alma mais velha companheira. O sábio Kami-sama foi impotente para testemunhar os gritos dos terrores que estavam acontecendo no voo silencioso das inúmeras almas injustamente arrancadas de seus destinos.

Igual ao seu próprio, seu rosto não mostrou qualquer emoção... assim como ele, ele estava esperando. Eles estavam esperando pelo milagre da transmutação do antigo destruidor do mundo para o salvador da humanidade.

Oh, não tinha sido fácil encontrá-lo... perdido no meio de um maciço árido e congelado, do outro lado do planeta. Não tinha sido fácil despertá-lo para fora de seu silêncio teimoso e hostil. E, finalmente, não tinha sido fácil convencer aquele homem monstruosamente egocêntrico e orgulhoso.

Fora ele, Piccolo, que teve a ideia primeiro. Mas ele tinha sido obrigado a vir ao palácio e pedir a ajuda do deus envelhecido, que agora estava sofrendo em silêncio ao seu lado. Ele não conseguia detectar o lutador irascível, que tinha sido extremamente cuidadoso em esconder seu enorme ki.

Uma vez que o tinha encontrado, tinha sido impossível chamar sua atenção, para trocar palavras a partir da rocha sombria que pairava sobre o topo de uma montanha cuha fúria possuia o aspecto de um vulcão extinto. A dura e fria pedra tinha sido totalmente esmagada, quebrada, enegrecida pelos vários acessos de raiva do lutador indignado, e também todo o gelo e neve dessas alturas congeladas dentro de uma área extremamente vasta.

E tinha sido Kami-sama, mais uma vez, que havia encontrado as palavras certas para despertar aquela criança despojada de seu mau humor. Quais palavras? Quais promessas? Quais argumentos ele tivera que encontrar para conseguir fazer o que o próprio Piccolo tinha tentado ao colidir contra um muro silencioso e hostil?

Pior, ele estava com medo pois ele tinha visto o velho chegar perto daquele concentrado de raiva, cujas oscilações de humor poderiam ser destrutivas. E ele tinha dado um susto quando ambos tinham desaparecido em um crepitar inesperado.

Onde o velho Namekuseijin o levou? Nenhum dos dois tinha falado sobre isso. Mas o ex-demônio tinha um palpite sobre isso, ele estava bem ciente da habilidade sutil de Deus e sabia tudo sobre sua capacidade de viajar até a porta do outro mundo.

Quando eles voltaram, ele teve que lutar contra outro monstro, provavelmente, ainda mais cansativo. O grito ensurdecedor de uma mãe histérica e possessiva. Ele tinha pensado que ele teria seus olhos roubados quando ele tinha dito a ela que tinha que levar seu filho. Boa coisa para ele, aquele monstro tinha a energia normal de uma mulher Terra e ela não sabia como voar, por isso ela foi incapaz de segui-los com seus gritos estridentes.

Quando eles voltaram, ele teve que lutar contra outro monstro, provavelmente, ainda mais cansativo. O grito ensurdecedor de uma mãe histérica e possessiva. Ele tinha pensado que ele teria seus olhos roubados quando ele tinha dito a ela que tinha que levar seu filho. Ainda bem que para ele, aquele monstro tinha a energia normal de uma mulher da Terra e ela não sabia como voar, por isso ela foi incapaz de segui-los com seus gritos estridentes.

Ele não era nem insensível, nem estúpido. Ele entendeu o que ela podia sentir em ver seu único filho, a única relíquia de seu falecido amante que ela tinha perdido, saindo para lutar em uma batalha cujo resultado era incerto.

Mas ele não tinha outra escolha, eles não tinham outra escolha! O destino deste planeta agora dependia dessa criança mal saída da infância e deste estranho príncipe cujas reações são imprevisíveis.

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu