DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

DBM Universos do "Futuro" (12 e 14): Twin Pain

Escrito por Foenidis

Adaptado por Henrique e Felipe

Nesse mundo alternativo de onde Mirai Trunks vem, todos os nossos heróis foram mortos pelos ciborgues... Esta história conta os detalhes desses acontecimentos, sobre uma parte em comum aos universos 12 e 14.

1234567891011121314151617181920212223242526
[Chapter Cover]

Traduzido por Henrique


Gulp…!

Yamcha engoliu a saliva, mas teve alguma dificuldade mediante ao nó em sua garganta. Era que o irmão maníaco estava descendo em vôo para encontra-lo! Boa ideia, Yamcha! Você acabou de ganhar o prêmio! O outro agora ia bancar o irmão protetor! Bem, talvez com um pouco de humor…

— Er… Você é muito gentil, 17… e, provavelmente, muito fofo do seu próprio jeito, mas… você sabe, eu não jogo para o outro time… se você entende o que eu quero dizer…

Droga, droga, droga. Certamente não parecia acalmá-lo… de forma alguma!

Um crepitar mais tarde, o androide estava cara a cara com o playboy paralisado pela angústia ou hipnotizado pelos olhos tão claros de seu oponente.

De repente, o ex-bandido do deserto encontrou-se flexionado para a frente por causa de um soco incrível, pontuado pela voz de 17.

— Primeiro de tudo, minha irmã não é uma vadia!

Todo o torso do lutador foi então violentamente empurrado para trás por uma impiedosa joelhada ascendente.

— Segundo, 'gentil' não é uma maneira de me descrever…

Um chute circular fantástico completou isso, jogando Yamcha brutalmente no chão.

— Terceiro, eu não sou fofo!

Parcialmente afundado no solo, e mesmo estando gravemente ferido, Yamcha não estava pronto para perder seu senso de humor. Afinal de contas, isso era tudo que lhe restava. Além disso, ele não era tão ineficiente: ainda estava vivo, não estava? Ele murmurou, ele falou fracamente e tremendo:

— Você não precisa estourar os pulmões… Eu entendi alto e claro… ouch!"

De cima da pequena clareira que havia se tornado um ringue improvisado para sua luta, Kulilin estava observando seu amigo ser espancado pelo menino de aço e ele não tinha sido capaz de fazer qualquer coisa. Na loucura de sua raiva cega, ele tinha esquecido dele totalmente… O retorno à realidade tinha sido dura! Seu companheiro, obviamente, estava a um fio de cabelo de morrer, só por causa dele!

Ele olhou com surpresa, como se não tivesse notado que ela estava aqui. 18 tinha placidamente observado a cena ao seu lado, como se ela fosse uma amiga de longa data. Ela calmamente sorriu para ele, sussurrando em sua direção:

"Meu irmão é um pouco ciumento." E então, ela piscou para ele, com cumplicidade.

Kulilin sentiu que estava delirando!

Teria ele perdido alguma coisa?

17 já estava voando de volta para eles.

— Onde nós já estávamos?

Ele também olhou para Kulilin com um largo sorriso no rosto.

— Eu espero que você ainda esteja realmente louco, caso contrário isso vai ser… perveso!

Cada vez melhor… Agora, ele também estava fazendo piadas, e bem ruins! Um olhar para o chão assegurou-lhe um pouco sobre a saúde de Yamcha: ele estava levantando-se, lentamente, mas levantando-se de qualquer maneira.

Bem, aqueles dois caras loucos pareciam estar de bom humor, então porque não tentar tirar proveito disso para arrebatar um pouco mais de tempo, um pouco mais de esperança, alguns segundos extras de vida.

— Não se preocupe com isso… Eu posso ser perverso! — Ele respondeu, por meio de desafio.

—- Tsk, tsk, tsk…, 17 olhou aborrecido.

Ele incisivamente olhou para o lutador ainda atordoado abaixo.

— Aquele cara é muito fraco, temos de deixá-lo com raiva novamente.

O coração de Kulilin bateu mais uma vez em seu peito apenas como um triste tambor de batalha enquanto encarava a crueldade diabólica que estava provocando-o.

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu