DB Multiverse

DBM Universo 4: Buu

Escrito por Arctika

Adaptado por Shadow the Hedgehog


Parte 1 :0
Parte 2 :123456
Parte 3 :78910111213
Parte 4 :14151617
[Chapter Cover]
Parte 2, Capítulo 6.

CAPÍTULO 6

Traduzido por Shadow the Hedgehog



A quintessência suprema: o pináculo do ser definitivo!


Esses dois saiyajins rapidamente se tornaram um só, dando origem ao meu nêmesis. A única pessoa que pode lutar contra mim em todos os Universos. Meu rival, meu pior inimigo, meu equivalente do lado dos gentios, e também uma imundície sem igual, alguém que sempre irei odiar e admirar. Um verme nojento, um desperdício de fusão que me infligiu a pior humilhação em minha longa existência. Nem o Kaioh-shin do Sul, nem o Gotenks e nem o Son Gohan fizeram eu me sentir assim.

Este Vegetto, a união do Vegeta com o Son Goku, era asqueroso. Como poderia a união de dois seres dar tal resultado? No entanto, eu tinha meus próprios recursos, além dos de Son Gohan, dos dois filhos e do Piccolo. Essas adições foram mais do que suficientes para esmagar um Super Saiyajin 3 com um só sopro. E mesmo assim, essa podridão de fusão havia amplificado exponencialmente os poderes do Vegeta e do seu rival, ao ponto de que eu não consegui infligir nenhum dano nele.

Por quase uma hora, eu o encarei. Transformei-o em doce, mas ele literalmente me desintegrou pouco a pouco em seu minúsculo estado de caramelo. Eu penetrei seu corpo para explodi-lo por dentro e rasgá-lo em pedaços, mas ele lentamente me torturou até que eu saísse. Ele me explodiu, carbonizou, despedaçou, cortou, enrugou, tudo à sua vontade. Ele era apenas um simples Super Saiyajin, mas minha força total não foi capaz de arranhá-lo.



Tomado por um ódio imenso, desenvolvi minha energia até o zênite e consegui assustá-lo. Na verdade, cego pela raiva, a dimensão em que estávamos estava gradualmente se desintegrando. Se ele não tivesse conseguido me interromper, o universo inteiro sem dúvidas teria desaparecido em minha fúria sem limites. Vegetto reconheceu meus méritos como guerreiro, mas para mim essa foi a gota d’água que fez o Gênio transbordar. Ele me "reconheceu"? Eu ? Ele me achou aceitável? Você...é mesmo...um...TRASTE!



Personagem arrogante! Saiyajin arrombado! Foi injusto! Lutei muito, enfrentei guerreiros formidáveis ​​e triunfei sobre todos eles, eu me superei todas as vezes para sobreviver, e aqui está um personagem miserável que nasceu a uma hora atrás, a união de dois idiotas covardes que não conseguiam me encarar cara a cara, que me derrubou, me menosprezou e estava prestes a me eliminar!!



E a pior parte é que ele estava virando a injustiça contra mim. Então, eu não tinha moral para falar? Só porque eu absorvi muitos guerreiros? Mas eu estava lutando pela minha sobrevivência! Pelo prazer de me comparar com lutadores formidáveis! Absorver aqueles que valeram a pena era reconhecer seu valor e glorificá-los através de mim! Eles contribuíram para a minha sobrevivência e para o meu engrandecimento! Sim, eu acabei com populações inteiras sob o controle do bruxo! Sim, eu arrasei o planeta e os seus habitantes, porque constantemente colocaram um pau na minha roda! O fraco deve desaparecer, e o forte deve governar, é assim que funciona.

Vegetto, um típico babaca pretensioso, a arrogância dele não tinha limites. Certo, eu era um ser mau, mas do meu ponto de vista não era nada mais do que a lei do mais forte, com gosto pela luta. Não havia justiça neste mundo, apenas história escrita com o sangue dos vencedores. E eu não hesitei em fazer o que fosse necessário para me manter vivo e estar no topo.



Você que está lendo estas linhas certamente considera que ainda existem dois campos maniqueístas, o Bem contra o Mal. Guerreiros da Terra contra mim. E sem dúvida você ficou encantado em ver o Vegetto me humilhar e me fazer em pedaços. Mas você já foi levado ao seu limite? Perseguido pelo resto do Universo, pois todos o veem como o flagelo em pessoa, o cataclismo da existência? Eu encarnei o pior da humanidade, era conhecido por ser um ser de pura destruição. Mas, desde que eu saí da minha bola, todos marcharam para me destruir. Os Kaioh-shins, os terráqueos, os saiyajins. Não importa o que você pensasse de mim enquanto o Vegetto me levou ao desespero. Eu me gabava de ser o mais forte e pretendia continuar sendo.



O que realmente me assustou foi a técnica desse horrível ser fundido. Por meio de uma projeção ultraconcentrada de Ki, ele foi capaz de aniquilar qualquer uma das minhas células. Ele foi o primeiro capaz de me eliminar de forma concreta. Desta vez, não havia mais dúvidas. Esse cara era muito poderoso e eu tinha que absorvê-lo rapidamente. Ele seria meu e nada jamais poderia me afetar!

Por uma feliz combinação de circunstâncias, consegui absorvê-lo, aproveitando sua desatenção e seu ego inflado. Estranhamente, não teve efeito no meu sistema ou corpo. Mas devo ter me adaptado às minhas absorções e não pude evoluir. Independentemente disso, ninguém poderia mais ficar no meu caminho. Eu estava livre, invicto. Invencível. Para comemorar essa conquista, eu iria fazer uma magnífica exibição de fogos de artifício. A destruição implacável e completa deste lindo planeta, agora deserto, que me fez passar um sufoco...infernal. As mais belas provações que já passei, mas também foram provações indescritíveis.

Adeus, ó Terra tão desprezível e tão doce! Mundo de humanos estúpidos, porém tão agradável de se navegar. Berço da estupidez humana, mas centro de tantas histórias, acontecimentos de todos os tipos, batalhas grandiosas! Você teve uma boa história, mas agora iria acabar com tudo isso em uma explosão espetacular da minha parte.



Mas, enquanto eu balançava o Kikoha final com a intenção de remover o corpo celeste do plano do Universo, um choque repentino ocorreu dentro do meu organismo. Minha aparência física mudou de repente para se tornar menos musculosa, menos carismática, vestindo a roupa do Piccolo. E não foi apenas meu corpo que regrediu. Meu poder também havia caído vários níveis, a ponto de essa fraqueza repentina me deixar com náuseas. E isso foi apenas o começo. Antes mesmo que pudesse reagir, eu me transformei novamente, voltando à base, meu estado de Super Buu após absorver o balão de ar quente. Eu fiquei estupefato. Devastado com minha aparência imunda, minha força reduzida de maneira repugnante. Então essa era a sensação de fraqueza? Aquela sensação de feiura e aquela sensação de ser apenas um valentão pouco refinado? Eu não percebi até absorver todos os diferentes guerreiros, mas eu era realmente repulsivo em minha forma base. Piccolo, Gohan e os outros me permitiram subir a um plano superior de existência, com a aquisição de carisma incomparável, poder infalível e inteligência impulsionada ao extremo. Um verdadeiro cavalheiro no auge de toda a criação, capaz de apreciar as coisas mais triviais da vida. Principalmente uma boa luta e a satisfação de ter esmagado todos. Num primeiro momento, eu seria mais assim, mesmo depois de deixar a Terra.



Mas ainda não chegamos lá. Convido vocês aqui a imaginarem o meu estado de espírito. Escrevam o que vocês acham que são meus pensamentos no momento da minha regressão repentina. Meu redator designado selecionará a melhor passagem e a integrará. Bem, eu digo isso, mas eu controlo as escolhas e as palavras dele, então... Enfim, não foi à toa que eu o absorvi, cabe a vocês estarem à altura de fazer parte do meu conto glorioso! (Além disso me darão uma ideia engraçada, usaremos este processo para integrá-lo gradualmente em minha existência todo-divina! Aos poucos, eu irei absorvê-los, os outros serão varridos como uma bola de feno com um simples estalar de dedos. Vocês me servirão de recursos literários, não me decepcionem. Seria uma pena se todos vocês falhassem comigo...e eu tivesse que devorá-los como se fossem um continente de bolinhos de carne.)

Rapidamente, eu me transferi para o interior da minha cabeça. Sim, eu sabia fazer isso. O que surpreendeu muito o Vegeta e o Son Goku, que também haviam assumido o controle de seus corpos individuais. Foi estranho, e eu estava preocupado que isso fosse parte de uma estratégia para religar seus brincos. Eu cometi o erro de deixá-los unir seus poderes, então não me deixaria ser humilhado novamente por aquela fusão imunda e incontrolável. Tive que manobrar com cuidado. Eu havia perdido muito em poder e estratégia, mas ainda era razoável e visivelmente inteligente.



Mas não foi o que aconteceu com os meus dois oponentes. Como eu disse antes na história, ambos são verdadeiros idiotas. Son Goku deixou escapar que o Vegeta havia destruído seus brincos antes. Eles não poderiam, portanto, se reunir novamente. Aquele Vegetto insuportável não era mais um obstáculo. Embora eles ainda pudessem se fundir com seus passos de dança...Eu tinha que impedi-los a todo custo, eu não queria ser superado por uma nova fusão.

Felizmente, os dois saiyajins não pareciam ter pensado nisso. Pelo contrário, eles entraram em pânico e agiram de forma imprudente. Son Goku ameaçou perfurar minha cabeça, sem perceber que seu poder havia se adaptado ao seu tamanho. Ele atacou meu corpo principal, em vão.

Mas Vegeta era extremamente sagaz. E perspicaz. Ele agarrou o casulo que continha o meu Eu interior...o quê? É psicanalítico demais? Ok, o Buu com excesso de peso, neste caso.



O problema com esse perigo repentino é que eu só era quem eu era graças à presença do Buu gordo. Este era formado pelos Kaioh-shins e serviu para formar meu estado atual. No entanto, perdê-lo não me faria engordar novamente. Este Buu agora era um ser por direito próprio, contendo os únicos absorvidos que eu tinha em mim. Se ele fosse arrancado de mim...eu não teria mais como absorvê-lo. Nunca mais seria o mesmo. E você sabe tanto quanto eu o que isso significa. O retorno do jovem terrorista. E, sem brincadeira, isso me apavorou.

Sem enrolação, eu intervim para evitar que o vaidoso saiyajin desencadeasse esse retorno definitivo às origens e até consegui absorvê-lo no processo. Tentei fazer o mesmo com seu companheiro, mas ele escapou das minhas garras. Não era grande coisa. Vegeta já estava começando a fazer parte de mim, e um novo projeto estava se formando na minha mente. A última luta.



Assim que minha nova metamorfose foi concluída, aproveitei a oportunidade para remodelar o interior do meu corpo, separando o Son Goku em uma sala impermeável com paredes impenetráveis. Eu reapareci na frente dele, desta vez vestido com a roupa do seu rival, o arrogante Vegeta. Eu me deleitei com essa absorção. Meu novo hospedeiro estava cheio de malícia e raiva do verme insolente à minha frente e se recusou a reconhecê-lo como o mais forte. Através de mim, essa sensação de frustração iria desaparecer, pois não havia dúvida de que o terráqueo saiyajin não tinha a menor chance. Em minha forma mais pura, eu já estava acima dele em termos de potência. Mas com a adição de um Super Saiyajin 2, eu poderia cuidar de três como ele sem me cansar muito.



Vamos conversar um pouco sobre isso, a propósito. Pare de nos comparar com seus níveis estúpidos de Super Saiyajin repetidamente. É exaustivo e forçado. A questão não é se este ou aquele é capaz de lutar equivalente a um outro tipo de cabelos dourados, mais curtos ou mais longos, eletrificados ou não. Ao contrário do que você possa pensar, o poder não é o fator determinante em uma luta. Mesmo que meu confronto anterior contra o Vegetto possa me contradizer. Eu diria até que, sem fusão, ninguém além do Son Gohan foi capaz de me enfrentar. Mas você pode ver que mesmo um cabelo muito comprido não dura muito contra mim. Você terá a prova disso.



Então eu disse, era hora de entregar o último dos confrontos. A apoteose, o apogeu, a epítome da minha luta pela sobrevivência e da minha vitória final.

Na minha frente, o saiyajin estava ciente de que não poderia escapar e que não poderia lutar contra mim. No entanto, ele estava determinado a tentar até suas últimas forças. Transformando-se em Super Saiyajin 3, ele investiu contra mim, dando golpes impressionantes. No espaço de dez minutos, nós lutamos bravamente. Não vou mentir para você dizendo que foi uma partida fácil. Apesar da minha superioridade em todas as áreas, Son Goku rivalizava com sua engenhosidade e genialidade nas artes marciais. Eu recebi os primeiros golpes sem conseguir prevê-los. Mas eventualmente consegui vê-los, ou os deixei atingir de propósito. Aos poucos, a luta passou a estar na minha vantagem. Depois de jogar um Kamehameha na minha cara, foi a vez dele sofrer meus ataques devastadores.



Ele estava ficando cada vez mais fraco, enquanto eu não perdia nada de poder. Ele estava condenado. Estava apenas enfrentando uma versão em miniatura de mim mesmo, em meu próprio corpo, e eu tinha absorvido somente o Vegeta. Tudo o que eu precisava fazer era trazer o Son Gohan de volta para esmagá-lo com um golpe. Mas isso teria sido uma desonra ao saiyajin que eu tinha em mim e àquele que eu estava enfrentando. Gostei dessa luta e não queria que acabasse rápido. Queria tirar vantagem dela e gravá-la na minha memória para sempre.

Mas os Kaioh-shins tiveram que se envolver. Um deles interferiu com meu corpo físico externo, atingindo-o várias vezes sem nenhum efeito. Bom, na verdade, apenas um: distorceu um pouco a sala de combate e me distraiu. Son Goku aproveitou a oportunidade para ganhar a vantagem. Isso rapidamente me irritou.



Abandonando momentaneamente meu duelo, eu retomei minha posição à frente do meu corpo verdadeiro e dei um giro direto no Kaioh-shin, que se chocou contra uma rocha distante. Eu coloquei bastante força nisso, então eu duvidava que seria incomodado por este verme novamente.

Suspirei, antes de voltar para o meu oponente. A sorte já estava lançada, o resultado foi escrito no momento em que interceptei o Vegeta. Eu não esperava mais nada do Son Goku, era hora de acabar com esse conflito de uma vez por todas.



No entanto, no momento em que voltei para a sala de batalha, fiquei sinceramente surpreso ao ver o Super Saiyajin 3, de braços cruzados, rodeado por uma aura trovejante e deslumbrante, que vibrou nas próprias paredes da sala. O nível de energia armazenada no corpo do saiyajin me deu arrepios reais, o nível dele estava muito além do que eu esperava! Se ele tivesse usado essa força na primeira vez que lutamos, eu certamente teria sido reduzido a pó. Por que ele só estava fazendo isso agora?

Meus instintos me disseram, que era como nos dias da investida ao Kaioh-shin-kai: era a última cartada do guerreiro, com sua força total até o limite... Tudo. Ou nada.



Son Goku estendeu os braços e projetou sua energia ao seu redor, como o Vegeta durante o seu sacrifício. Eu estava instantaneamente desintegrado. Não apenas meu corpo interno, mas minha forma externa também. A área foi varrida por uma distância enorme e minhas células reduzidas a cinzas. A explosão foi tal que a Terra estremeceu com a onda de choque.



Logo em seguida, a enorme poeira gerada pela explosão gradualmente se dissipou, revelando um Son Goku sem energia, ajoelhado no chão, mal recuperando o fôlego. Acabou, ele não tinha mais forças. E, infelizmente para o último defensor vivo do planeta, sua ação, embora louvável, foi mais uma vez uma tentativa inútil.

Meu corpo explodiu por dentro, queimou e se desintegrou, mas pequenas partes do meu envelopamento corporal foram arremessadas para longe e, portanto, simbolizavam minha sobrevivência e minha vitória. Regenerei-me na frente do Son Goku, dando-lhe meus cumprimentos com toda a sinceridade. Vegetto revelou uma maneira eficaz de me derrubar sem esforço. A outra maneira, não menos importante, exigia muito mais recursos: uma onda de energia poderosa e extensa o suficiente para colocar cada pedaço meu no seu campo de ação. Se Son Goku tivesse seu tamanho original, ele teria explodido o planeta e todo o sistema solar, e eu provavelmente teria morrido, pois não havia como escapar. A menos que eu faça como os protagonistas da história costumam fazer, como Freeza e Cell: uma sobrevivência milagrosa devido a uma parte do corpo ainda remanescente. E, honestamente, eu não seria diferente. Quando eu era criança, passava meu tempo destruindo planetas, comigo mesmo dentro deles, e me reformando no vazio profundo. Então não teria me surpreendido muito.

Eu estendi minha mão para o Son Goku, pronto para executá-lo com honra. Mas mudei de ideia no último instante e decidi absorvê-lo. Eu realmente respeitava este homem, que era capaz de ser engenhoso e planejar seus recursos, o seu nível 3 ocultava recursos insuspeitos. Eu tinha percebido que ele não estava no controle dessa sua transformação, e seu potencial, caso totalmente explorado, poderia alcançar novos patamares.

Logo, Son Goku se tornou um só comigo. Eu também reconectei os outros guerreiros ao meu corpo, e meu poder cresceu mais alto do que nunca. Finalmente acabou. Eu era o mais forte. O universo era meu. Eu seria capaz de semear o terror e a desolação nos seres vivos, esperando secretamente que o espaço reservasse para mim seres do mesmo calibre, capazes de resistir a mim e me empurrar aos meus limites.

Para marcar o epílogo, o crepúsculo desta época, eu estava determinado a marcar a ocasião aniquilando este mundo pacífico e tranquilo...este pesadelo infernal e sem fim...esta terra de paz e amor…hein?



Então, por que não consegui lançar essa kikoha destinada a varrer a Terra do mapa do universo? Bastava-me concentrar a minha energia e destruir este astro onde vivi tantas aventuras, vi crianças crescerem, lutei contra ferozes inimigos tanto do futuro quanto do passado…



Que? Mas, o que...? O que foram esses clarões que apareceram fugazmente na minha mente? Depois de alguns segundos, eu entendi…



Todas essas pessoas em mim amavam este planeta. Até mesmo o Vegeta. Son Goku e seus parentes tinham um amor sincero por este pequeno mundo perdido em um canto do espaço. E depois, no fim das contas, eu também tinha...a gente vivia bem ali, a gente comia bem, a humanidade estava parcialmente podre, mas também cheia de potencial e de bondade, e não era do meu desagrado.

Este mundo ocupou um lugar especial no meu coração, em parte por causa dos meus absorvidos, mas também em uma base pessoal. Vivi ali o período mais lindo da minha vida, aprendi a amar, a odiar, a me superar e a evoluir. Mesmo que isso significasse devastar o universo, eu tinha que poupar este planeta que me viu nascer e progredir.



Em um estado de espírito altamente volátil, decidi apostrofar o Dende, o deus da terra cujo nome eu conhecia graças a seus amigos. Eu queria que ele coletasse as esferas do dragão para restaurar a Terra ao seu estado original e ressuscitar os terráqueos. Eu devia isso aos meus oponentes.

Depois de arrancar a simbólica roupa laranja do Son Goku, eu vi o Kaioh-shin morrendo no chão. Eu o transformei em uma bolacha antes de comê-lo, colhendo suas habilidades no processo. Eu não iria me privar dessas úteis técnicas divinas. Eu perdi a chance de adquiri-las quando era criança, não podia perder de novo.

Mais tarde, todos voltaram à vida. Eu me apresentei às famílias do Goku e dos outros, informando-os da perda de seus entes queridos. Eles ficaram atordoados, incapazes de reagir. Apenas a Chi-Chi tinha força para retrucar um ataque mordaz:

—Como você ousa ? Devolva meus filhos e meu marido, seu monstro!!

Com um único olhar mesquinho, eu a silenciei, aterrorizando-a com o brilho em meus olhos. Virando-me para a Bulma, tive um novo pensamento:

—Mmh...Bulma...você é bastante inteligente, você…

A terráquea recuou com uma expressão de horror no rosto. Seguindo este instinto que despertou em mim, eu a absorvi instantaneamente, sem que os outros pudessem reagir.

Em apenas alguns segundos, senti minha inteligência crescer exponencialmente. Eu não estava errado. Essas memórias do Vegeta, do Son Goku e dos seus entes queridos me guiaram em decisões úteis. Esta, em particular, me permitiu evoluir ainda mais, integrando um dos terráqueos mais inteligentes do planeta. Eu ainda não estava interessado em absorção, muito menos em outras especialidades além do combate, mas isso também estava longe de ser um desperdício.

—Hum, de qualquer maneira...eu disse aos outros, todos abalados. Eu vou deixar o planeta agora. Quero descobrir o universo e suas delícias. Vou atualizá-los de vez em quando!

Quando comecei a voar para longe, uma voz me chamou:

—Espere!!

Era a Videl, filha do Satan. Com o rosto vermelho de raiva e tristeza, ela dificilmente foi contida pela # 18.

—Por que você está agindo assim? Se você se tornou tão legal, devolva-nos as pessoas que amamos! Faça isso pela Terra que você poupou e pelo meu pai!

Eu a encarei em silêncio, enquanto ela e os outros aguardavam ansiosamente minha resposta. Mostrando um sorriso terno, eu respondi:

—Este é o único pedido que não posso atender, minha querida. Quando Goku e Vegeta se fundiram, eles disseram adeus às suas personalidades individuais para sempre. Portanto, considere que seja o mesmo. Eles farão parte de mim eternamente. Este é meu novo e último renascimento, para o qual eles contribuíram muito. Eu sou o novo Buu.

Antes que a Videl se empolgasse novamente, acrescentei, endurecendo o olhar:

—Vocês podem pensar em mim como um amigo. Agradeçam a suas famílias por isso. Mas não pensem que eu realmente o sou. Se vocês se levantarem contra mim, se a humanidade fizer alguma coisa para me prejudicar, não hesitarei em destruir algumas cidades para acalmá-los. Preocupo-me com este mundo, mas não hesitarei em fazê-los sofrer se necessário.

Saindo da atmosfera neste cenário gélido, voei na direção do espaço para um novo épico, para novas aventuras, mas não sem dirigir uma última saudação aos terráqueos, levantando minha mão mecanicamente à maneira de Son Goku, balançando um feliz:

—Tchau, amigos!

Carregando os comentários...
Idioma Notícias Ler DBM Minicomic Autores Rss Feed Fanarts FAQ Ajuda Torneio Ajuda Universo Bônus Eventos Promos Parceiros
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês BrasileiroMagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaEuskeraLietuviškaiCroatianKoreanSuomeksiעִבְרִיתБългарскиSvenskaΕλληνικάEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsuBrezhonegVènetoLombard