DB Multiverse

DBM Universo 4: Buu

Escrito por Arctika

Adaptado por Shadow the Hedgehog


Parte 1 :0
Parte 2 :123456
Parte 3 :78910111213
Parte 4 :14151617181920
[Chapter Cover]
Parte 4, Capítulo 17.

Capítulo 17

Traduzido por Shadow the Hedgehog


Um instante depois…

Na grande praça da cidade de Alcmena, a imensa cidade do planeta Icarion, o Gênio apareceu repentinamente no meio da população, utilizando o teletransporte dos Kaioh-shins. O Buu olhou com curiosidade para os habitantes que se assustaram com a sua aparição repentina. Graças aos conhecimentos de alguns dos seus absortos, ele foi capaz de reconhecer estes alcmenianos, seres com características particulares, embora de forma humanoide: grandes orelhas pontudas, faces ocas, chifres com várias protuberâncias no topo da cabeça.

Todos usavam trajes confeccionados com um tecido semelhante ao usado na criação das roupas na Terra, mas o Buu já sentia uma preferência pelo estilo de vestir dessas pessoas, o que imediatamente lhe transmitiu uma sensação de paz e estabilidade. Bem como sabedoria de espírito.

Ele próprio não estava familiarizado com o uso de roupas, a não ser as que compunham a parte inferior do corpo: aqueles sapatos pretos com pontas; aquelas calças brancas largas; aquele cinto que traz a marca do Majin no centro. O Buu se lembrou que a cada uma das suas transformações, ele ainda estava vestido com aquelas mesmas roupas debaixo. Talvez ele tenha nascido com elas? Se ele não suportava ter um kimono ou outra vestimenta na parte superior do corpo, ele sentia que as vestimentas inferiores eram parte integrante do seu corpo, como se fizessem parte do seu ser. Ele nem mesmo sentiu nojo ao ver aquele "M" na fivela do seu cinto.

Em poucos segundos, mesmo que involuntariamente, o Buu já se fazia dezenas de perguntas não relacionadas ao motivo da sua vinda a este mundo. Será que foi devido à sua absorção do velho Kaioh-shin e daquela pérola de sabedoria que ele carregava consigo? Ou a sua curiosidade atingiu um novo nível de interesse?

O Buu balançou a cabeça para voltar a focar a sua atenção na sua motivação principal. Ele investigaria essas questões no seu devido tempo. Por enquanto, ele fixou o seu olhar na entrada de um vasto edifício, que ele sabia que os sábios do povo alcmeniano receberam durante importantes concílios. Sem perder tempo, ele caminhou naquela direção, prestando pouca atenção aos transeuntes que apressadamente se moveram para o lado para abrir caminho para ele. Ao longo do caminho, ele decidiu captar seus pensamentos rapidamente, para que pudesse descobrir se eles sabiam quem ele era. Mas, provavelmente, eles não estavam tão assustados quanto se pensava. Sem saberem que ele era o lendário Majin Buu, eles o acharam simplesmente intrigante e bastante ameaçador pela sua aparência e olhar resoluto. Sem mencionar a sua aparição repentina e inexplicável. O Buu lhes concedeu esse ponto, mas ficou encantado ao descobrir que o primeiro pensamento dessas pessoas ao vê-lo não foi de medo ou desconfiança, mas sim de curiosidade e tolerância.

Entrando no prédio, por um enorme corredor de teto elevado, o Buu deu alguns passos à frente até que viu uma figura encapuzada bloqueando o seu caminho. O estranho retirou o pano que cobria a sua face para revelar um rosto jovem, com chifres médios. O indivíduo falou:

— Bem-vindo a Alcmena, estrangeiro. A sua chegada ao nosso mundo não passou despercebida. Então, diga o que você procura em nossa bela cidade.

— Obrigado pela sua recepção, alcmeniano — o Buu o cumprimentou, curvando-se levemente. — Eu gostaria de falar com os sábios, acredito que eles responderão a algumas das minhas…dúvidas.

Dizendo esta última palavra em um tom que não sofreria recusa, o nativo sentiu que não podia negar este pedido pronunciado em um tom cortês, porém firme. Foi assim que ele guiou o Gênio para a grande câmara do conselho, onde os quatro reis magos da cidade se sentavam em poltronas de mármore. O Buu se posicionou no centro da gravura no chão, seguido pelos olhos dos sábios que observavam os movimentos deste intrigante alienígena.

Um deles, um velho de muitos pelos, ergueu a mão e gesticulou para o jovem guia.

— Obrigado, Thorn — disse ele, gesticulando para que ele se afastasse. — Agora, deixe-nos com o nosso anfitrião.

O chamado Thorn se curvou e desapareceu na sombra de outro corredor. O sábio que acabou de falar se endireitou na sua cadeira e caminhou até o Buu, suas mãos enfiadas nas mangas da sua roupa larga. Ficando a uma distância respeitável do Gênio, ele disse:

— Este corpo rosado, estes olhos de escuridão profunda, esta marca que carrega neste cinto…você é tal como os mitos transcrevem nesta descrição. Você é aquele Majin Buu das lendas?

— Venerável sábio — o Buu respondeu, endurecendo o olhar —, sim, sou eu, porém, cuidado para não me chamar assim de agora em diante. Não sou mais um escravo daqueles bruxos horríveis. Meu nome é Buu.

— Entendo, aceite minhas desculpas, Buu — concedeu o sábio, baixando a sua cabeça. — O que você está fazendo entre nós, se posso lhe fazer esta pergunta? Você está aqui para nos destruir?

— De forma alguma — disse o Buu. — Meu objetivo não é a destruição, pelo contrário. Eu aspiro a coisas muito maiores agora. Estou aqui por dois motivos. O primeiro, e espero que sejam honestos comigo, alguns magos vieram aqui para estudar fórmulas mágicas. Isto é verdade? Os senhores os ajudaram? O que eles encontraram?

Os sábios se entreolharam por um momento, preocupados. Eles tinham certeza de que a resposta desagradaria a essa criatura cuja história sombria eles conheciam, e temiam a sua cólera. No entanto, o Buu pediu sinceridade total. Por isso, foi com vigilância que um deles falou e escolheu cuidadosamente as palavras:

— Na verdade, nós conhecemos esses bruxos de quem você fala. Eles passaram vários meses aqui, encomendados por um senhor Kaioh-shin. Somos neutros e nosso conhecimento está aberto a qualquer pessoa que queira acessá-lo. Nada é negado àqueles que buscam respostas, sejam elas quais forem. Nós os orientamos para o que eles estavam pedindo: as seções mágicas sobre criaturas nascidas da feitiçaria e fórmulas de aprisionamento. Depois disso, não nos envolvemos mais. Você queria uma resposta honesta, Buu. Aí está ela. Você pretende nos punir?

— Puni-los? — disse o Buu com um sorriso. — Mas os senhores não fizeram nada para merecer a minha fúria! Já castiguei aqueles que a procuraram. O conhecimento não é bom e nem mau, é o que fazemos com ele que ganha esta dimensão. Não foram os senhores que planejaram me selar novamente. E o seu mundo é precioso demais para eu destruir…

Gotas de suor escorreram pelos rostos dos sábios, enquanto o Buu sorria de alegria.

— Vamos então para o segundo motivo da minha presença: por minha vez, desejo me beneficiar dos inúmeros recursos intelectuais que repousam nas suas bibliotecas. Em particular, nas suas seções relacionadas à magia, sobretudo. Meu objetivo é adquirir o máximo de conhecimento possível, em todas as áreas. E o seu mundo é uma grande fonte de conhecimento de todos os tipos. Esta é talvez a joia mais bonita que tive a oportunidade de conhecer, na minha busca sem fim. Eu faço uma promessa solene a vocês de nunca atacar ninguém, e eu diria até mesmo, de proteger o seu mundo de possíveis ameaças, em troca da sua cooperação. É verdade que eu poderia simplesmente matá-los, ou absorvê-los, e calmamente pegar o que eu quiser!

No entanto, essa não é mais minha maneira de fazer as coisas. Seria uma pena perder gente como os senhores, vocês serão muito mais úteis para mim vivos. Enquanto nenhum de vocês tentar vir atrás de mim, ou mesmo que apenas responda a perguntas que me prejudicariam, eu serei o seu aliado e um convidado muito amigável. Os senhores podem ficar com este "Majin Buu" assassino que está nos seus manuscritos, não me importa. Este é um período da minha vida que já passou, e tenho a intenção de escrever uma sequência gloriosa e muito melhor para a minha história!

Os sábios permaneceram em silêncio e pediram ao visitante um momento para poderem discutir entre eles. Ansioso para tranquilizá-los e ser respeitoso, o Buu concordou em se afastar e não usou os seus sentidos desenvolvidos para captar a discussão. Ele poderia realmente absorver todos eles agora, e simplesmente fazer o que quisesse depois. Mas este mundo era um verdadeiro tesouro, tanto neste conhecimento arquivado quanto na sua população desenvolvida. Havia mundos que era melhor não perturbar muito. Era possível que essa demonstração de respeito se devesse à absorção do velho Kaioh-shin. No entanto, depois de ouvir que a sua velha história era conhecida por aqui, e possivelmente transcrita, ele ficou ainda mais motivado a dar aos historiadores uma história muito melhor para dar a uma geração futura: a sua vinda e cumprimento. Adeus, devastador e sanguinário Majin Buu. Adeus, ameaça mítica. Essa era a história do Buu, o aventureiro de mil maravilhas, o versátil Gênio que salvava ou matava dependendo do seu humor do dia! E a criatura mais incrível que o universo já conheceu!

Alguns minutos se passaram, antes que o chamado Thorn fosse encarregado de conduzi-lo de volta aos sábios. Eles o observaram com um último resquício de suspeita, então um deles disse:

— Tudo bem, Buu. Seus termos são razoáveis ​​e aceitamos a sua oferta. Pedimos apenas uma coisa em troca: não queremos nenhum ato de violência da sua parte, seja contra os habitantes deste mundo ou das civilizações vizinhas. Temos pactos em andamento e nossa neutralidade tem precedência sobre tudo. Concordamos em não divulgar certas informações sobre você que julgue necessárias de se manter em silêncio, mas as nossas bibliotecas permanecerão abertas a todos. Se isso lhe convier, você é bem-vindo, assim como qualquer espécie ansiosa por aprender.

— Seu pedido é justificado e bem pensado — respondeu o Buu, dando ao sábio um sorriso satisfeito. — De qualquer forma, o seu mundo está sob a minha proteção e não vou machucar ninguém no seu território. Se os senhores não se importarem, não quero perder tempo e gostaria de já mergulhar agora na leitura dos seus escritos.

— Certamente — respondeu o velho sábio. — Thorn, leve o nosso anfitrião à seção de artes mágicas, por favor.

O Thorn se curvou e fez o Buu segui-lo por uma escada que levava ao alto do corredor, dando acesso ao enorme edifício atrás da sala do conselho. Enquanto o jovem alcmeniano o conduzia, e ninguém podia vê-lo, uma sombra fugaz cruzou o olhar do Gênio: ele manteria as suas promessas, mas ao menor sinal de ameaça, ele não hesitaria em erradicar todos. Garantir a sua sobrevivência era sua prioridade agora, no momento…

Assim, por dias a fio, o Buu trabalhou diligentemente em busca de novos conhecimentos e proteções para cobrir suas fraquezas mágicas. Com a ajuda de um jovem guia chamado Thorn, que ficou impressionado e assustado com a presença dessa criatura lendária, o Buu conseguiu colocar as mãos em quase todos os livros que os bruxos usaram para criar a réplica do feitiço do Bibidi.

A maioria dos documentos coletados pela cidade de Alcmena e seu povo estavam alojados dentro de uma cúpula gigantesca parcialmente esculpida na montanha atrás da cidade. Dez andares circulares cheios de fileiras de livros davam para um andar térreo igualmente completo, frequentado por uma legião de seres vivos. O Gênio ficou fascinado por essa multidão de tantas espécies diferentes. Icarion foi imediatamente impulsionada entre seus mundos favoritos, provavelmente para sempre. Ele já não cogitava mais quebrar a sua promessa e destruir este mundo por capricho. Ele considerava o conhecimento um tesouro precioso, e esta cidade era como um sonho que se tornou realidade. Para assimilar o conteúdo de todas essas obras, levaria-se várias décadas. Ele até mesmo antecipou esta atividade do ponto de vista dos séculos.

Alguns transeuntes apontaram para o Buu, principalmente discretamente. Estes não eram necessariamente alcmenianos originais. Parecia que o Gênio era considerado tanto um mito antigo quanto uma fábula popular destinada para assustar crianças desobedientes. Um dia, quando ele estava fazendo uma pausa na sua pesquisa mágica para trabalhar nos raios, ele ouviu um jovem alienígena gritar:

"Olha, papai, é ele, é o monstro rosa! Alguém foi malcriado!"

Reconhecendo isso, o pai apavorado o tirou dali, mas o Buu não se incomodou com as palavras. Divertiu-se em saber que havia um resquício das suas façanhas anteriores e que a sua imagem estava sendo usada. Ele só odiava ser conhecido apenas pela sua escravidão sofrida pelo Bibidi e pelos atos cometidos em seu nome. Ele criaria uma nova lenda e, sim, eles o temeriam da mesma forma. Mas eles o admirariam também!

Ao longo das suas leituras cumulativas, o Buu rapidamente percebeu como a magia era fascinante e complexa. Os poderes que ele adquiriu absorvendo o velho Kaioh-shin eram apenas uma fração do imenso potencial que esta arte possuía. Centenas, milhares de combinações existiam, para toda e qualquer coisa! E muitas vezes havia referências ao seu criador ancestral, Bibidi, em muitos desses textos…

Pelo que ele pôde derivar do conhecimento da divindade e desses muitos textos, o Buu era imune a muitos feitiços. Seu poder natural era superior a muitas forças mágicas, e apenas a sua essência maligna o tornava vulnerável a certas fórmulas. O Bibidi fez questão de fazer uma criatura invulnerável, mas se permitindo algumas desvantagens para poder controlar o seu escravo sanguinário. Aquele piolho sádico foi um dos maiores feiticeiros da sua época, então o Buu poderia pensar que os cuidados que o seu progenitor havia tomado eram confiáveis.

No entanto, ele estava longe de estar seguro. Aquele ataque, que quase funcionou, acabou de mostrar que ainda era possível selá-lo, e com facilidade. Aquilo não era um Mafuba desprezível, cuja técnica de contra-ataque era fácil de executar. O Buu não tinha como se defender, e apenas os seus instintos de sobrevivência somados a uma velocidade desproporcional permitiram que ele escapasse do perímetro do feitiço.

Além disso, ao ler os dados do antigo Kaioh-shin, o Gênio percebeu o quão sortudo ele foi. Na verdade, o feitiço original do Bibidi não dependia de nenhum campo de ação e condenava irreparavelmente o seu servo à prisão inevitável. Lá, porém, eles devem ter sido sete contra ele, usando todos os seus poderes, sem certeza de selá-lo. Mas aquela fórmula instável era, portanto, nada mais do que uma reconstrução cambaleante, e as possibilidades infinitas da magia verdadeira representavam uma ameaça permanente de fato.

Pela segunda vez na vida, o Buu sentiu uma sensação muito desagradável.

Ele sentiu isso quando foi dominado pelo Vegetto na Terra, esmagado por um poder imensamente maior do que o seu.

Agora ele estava enraizado novamente na sua própria mente, insidioso e traiçoeiro.

A sensação de medo.

Em uma noite, quando estava estudando novos livros até tarde, o Buu sentiu a presença de um indivíduo escondido atrás das estantes. Com desdém, ele disse em tom divertido:

— Não precisa se esconder, eu sei perfeitamente que você está aí. Então, mostre-se!

Atendendo ao seu chamado, o Thorn parecia inquieto. O jovem alcmeniano observou discretamente o Gênio desde a sua chegada ao seu mundo, ao mesmo tempo extremamente curioso, mas também assustado diante de tal entidade. Ele conhecia a lenda do obscuro Majin Buu e estava fascinado por esta criatura tão carismática, mas tão diferente do que havia lido.

— Eu…Aceite minhas desculpas, nobre Buu — disse o Thorn apressadamente, curvando-se. — Eu não quis ofendê-lo…

— Pare de fazer drama por besteira — descontraiu o Gênio. — É bom ter companhia. É verdade que eu posso ser perigoso e ameaçador, mas também posso ser charmoso e amigável. Você não está tentando me machucar, não é? Eu posso ler a sua mente, e você é apenas um pequenino curioso! Por favor, sente-se comigo.

O Thorn parou por um breve momento antes de aceitar o convite do Buu. Ele se sentou em frente a ele em uma mesa coberta com dezenas de livros abertos. Diagramas e escrituras antigas apareciam em quase todas as páginas.

— O senhor estuda magia, se entendi bem? — perguntou o Thorn, deixando de lado a sua angústia. — O senhor está procurando por um elemento específico?

— Na verdade, estou tentando entender como funciona principalmente — disse o Buu, preocupado. — Tenho muito conhecimento em muitas áreas, mas a magia é algo que não consigo entender. É muito mística, muito sobrenatural para mim. Jogar um Kamehameha é fácil, eu sei como funciona. Mas aquele feitiço que me selou…como palavras simples podem produzir tanto poder? Isso é uma loucura!

O Thorn olhou para ele perplexo. Ele não sabia o que era um Kamehameha, mas o que ele tinha certeza é que era melhor ter essa criatura mítica como amigo. Ela parecia amigável e dotada de uma inteligência imensa. Além disso, o Buu era mais conhecido pela sua invencibilidade e talento no combate. Ele secretamente esperava ser capaz de se relacionar com o Buu, para garantir a sua sobrevivência e obter algumas lições dele, se ele se sentisse disposto a isso.

— Você quer aprender a lutar, certo? — perguntou o Buu, virando as suas íris escarlates para o jovem.

— Eu…eu… — o Thorn gaguejou, ficando pálido.

— Haha, que timidez essa! — o Buu riu. — Prometo, vou parar de ler a sua mente. Não é a coisa certa a se fazer, por favor, perdoe-me. Mas que assim seja. Se você quer aprender artes marciais, não tenho nenhum problema em lhe ensinar algumas coisas. No entanto, em troca, gostaria que você me ajudasse na minha pesquisa. Pode durar toda a sua vida. Você se sente pronto para essa perspectiva?

— Sério mesmo? — o Thorn ficou entusiasmado. — Aceito com prazer!

O jovem alcmeniano estava no céu. Há muito tempo, quando o príncipe Coola tinha vindo a Icarion para subjugar o seu povo e obter o conhecimento deste mundo para o seu próprio interesse, o Thorn sentiu uma profunda frustração pela sua impotência. Que alívio foi saber da morte do príncipe por um poderoso guerreiro do planeta Terra! Mas ele não poderia permanecer um erudito como tantos entre os seus. O conhecimento era uma verdadeira fonte de vida para ele, mas o seu coração ansiava pelo poder. Ter a força para proteger os oprimidos e o seu povo diante de novas ameaças.

Qual outra maneira de se tornar forte seria melhor do que treinar com alguém conhecido como o mais poderoso por dezenas de gerações? Não importa se ele era um demônio, se ele realmente fosse demoníaco, ele os teria matado assim que chegou. E mesmo sem isso, ele estava fascinado demais por ele para o considerar uma ameaça. E ainda que fosse, não precisava ter medo, pois o seu destino seria inevitável. Então é melhor aprender o máximo possível com ele.

— Tudo bem, está entendido! — o Buu se regozijou ao fechar o livro que segurava nas mãos. — Pretendo ficar com você quando encontrar algum tipo de resposta à minha principal preocupação. Pode durar alguns meses. Vá descansar, você vai começar a me ajudar a partir de amanhã, junto com o seu treinamento, de madrugada.

— Entendido! — o Thorn exclamou, abrindo um sorriso de alegria. — Obrigado mais uma vez, mestre Buu, não vou decepcioná-lo!

Enquanto o jovem alcmeniano desaparecia correndo por um corredor, o Buu apoiou o queixo na palma da mão, cansado, batendo distraidamente na mesa com os dedos. Portanto, ele tinha acabado de pegar um aluno. Ele mal percebeu o que isso significava. E agora ele estava pensando no Muten Roshi e no ensinamento que ele deu ao Son Goku, Kulilin e Yamcha. Essa memória estava vívida na mente adormecida do saiyajin, que se fundia cada vez mais com a do Gênio. E o Buu agora se sentia muito animado com a perspectiva de ter essa nova experiência também. Ele queria ver se ele tinha as qualidades de um mestre, se ele poderia transmitir seus conhecimentos. Como ele faria isso? Por onde ele iria começar? Tantas questões para explorar!

O Buu sorriu enquanto se mergulhava em novas leituras. Depois que ele lidasse com este doloroso problema de magia, a vida seria muito melhor, e perspectivas emocionantes se abririam para ele. A sua gloriosa aventura ainda estava engatinhando.

É bom revê-los, colegas leitores! É o seu querido narrador falando com vocês novamente. Se ouvirem a minha voz, vocês não estão loucos: deixei um pedaço de mim atrás das suas telas, para estudar os seus…talentos.

Em primeiro lugar, quero expressar o quão sinceramente emocionado eu estou por saber que vocês estão sempre presentes ao longo deste conto que o meu escritor humano está transcrevendo para vocês. É sempre bom saber que minhas inúmeras aventuras são do seu interesse! E então, é possível que, ao ver a minha onipotência, vocês temam que eu irei subjugar os seus universos também! Posso? Vou deixá-los pensarem sobre isso.


Como puderam ver nesta página, eu passei muito tempo estudando magia, acompanhando essa dolorosa aventura com feiticeiros. Isso me distraiu do meu objetivo por um tempo, mas levou a ações que certamente vão os surpreender! Mas a minha intervenção não se limita a isso. Como vocês já sabem, dificilmente gosto de falar sobre momentos longos e enfadonhos. Vou responder a alguns pontos que vocês levantaram agora para que não precisemos retomá-los:


Sim, o velho Kaioh-shin de fato já usou a sua pobre última cartada, e os seus planos insignificantes não podem mais me ameaçar.


E quanto aos meus absortos, vou deixar as coisas bem claras: isso é definitivamente uma coisa do passado. O Son Goku e companhia foram adversários gloriosos, mas eu nunca farei nada para colocá-los na minha frente novamente. Nada de clonagem das minhas memórias, nada de permissão para sair para fora do meu corpo. Eu decidi isto, tanto por respeito ao valor deles na batalha quanto pela minha perspectiva. Minha existência é naturalmente muito apegada ao passado; minhas ações, minhas provações, minhas lutas, tudo isso ajudou a me forjar, a me fazer o que eu sou. Tudo que experimentei na Terra me permitiu falar com vocês hoje. Portanto, nunca vou mexer nesses eventos que considero sagrados. A era dos saiyajins acabou, por favor. Agora é a minha era, para sempre, hahaha!


Agora que isso está feito, espero vê-los no próximo capítulo, onde terão direito a uma bela surpresa que os impressionará tanto quanto a mim! E provavelmente não da mesma forma…

Obrigado pela sua atenção e lealdade, continuem assim e vocês não vão acabar como doce no meu estômago.


Seu humilde Gênio;


Buu.

Carregando os comentários...
Idioma Notícias Ler DBM Minicomic Autores Rss Feed Fanarts FAQ Ajuda Torneio Ajuda Universo Bônus Eventos Promos Parceiros
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês BrasileiroMagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaEuskeraLietuviškaiCroatianKoreanSuomeksiעִבְרִיתБългарскиSvenskaΕλληνικάEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsuBrezhonegVènetoLombard