DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

DBM Universo dos Ciborgues (14): One Way

Escrito por Foenidis

Adaptado por Felipe e Henrique

Depois da morte dos guerreiros Z descritas em Twin Pain, os Universos 12 e 14 tiveram muitos ano em comum até começarem a se diferenciar um do outro. Quais eventos levaram à vitória de Trunks em um deles, e ao reinado dos Humanos Artificiais no outro?


Parte 1 :123456789
Parte 2 :10111213141516
Parte 3 :1718192021222324
[Chapter Cover]
Parte 2, Capítulo 16.

Traduzido por Henrique


Os raios radiantes de um sol forte brilhavam sobre a expressão cinza de Bulma, assim inchando seus olhos cansados. Instintivamente, ela levantou uma mão para proteger seus olhos da luz que era muito mais brilhante do que as luzes de néon de baixa tensão de seu abrigo, então ela os baixou lentamente, fechando as pálpebras, a fim de finalmente desfrutar este toque inesperado por um momento.

Apenas por um momento. Um momento de felicidade durante o qual ela deixou o esquecimento invadir sua mente… O simples prazer desse calor natural, uma brisa quase imperceptível suavemente escovou seus cabelos, ela foi embalada pelo bom canto dos pássaros pequenos e suas canções travessas.

Bem, aqui e ali, a vegetação tinha começado a ter algumas incursões tímidas sobre as mais antigas pilhas de escombros. Tímidas, exceto no lugar da estufa enorme dos pais de Bulma. Neste local, o ataque dos androides não tinha sido suficiente para destruir a vida. Através das ruínas de cimento e vidro, a selva interior do pequeno zoológico do casal havia ressurgido para espalhar exuberantemente sobre este novo território que poderia conquista-lo lentamente apagando a triste visão das ruínas de uma casa que tinha trazido bom momento para a família Brief e seus amigos. Os pequenos cantores de penas gostaram deste oásis e suas vozes alegres corriam muito mais altas já quer quase nenhum som dos carros, nem das atividades humanas podiam cobri-los mais.

Que paradoxo estranho que era isso, a natureza conseguiu tirar proveito de um cataclismo provocado pela tecnologia humana. Mas é mais provável que foi assim que tinha acontecido. Quantas vezes o frágil equilíbrio da vida tinha se transformado? E, a cada vez, a natureza tinha conseguido se levantar das cinzas. Espécies seguidas de espécies, o círculo imutável da vida continuou, não importava como.

Bulma se livrou desse pensamento odioso abrindo bruscamente seus olhos e rapidamente caminhando para ficar longe da entrada de seu abrigo. Não, a era do homem ainda não tinha acabado, a raça humana ainda não foi condenada.

Os dois assassinos não eram uma praga divina, eles não eram dois demônios de outro mundo… Mas eles eram duas criações, pensadas por um gênio humano. O que o homem poderia fazer, ele poderia desfazer tão bem!

Eles apenas tinham que encontrar o caminho certo para derrotá-los.

Os olhos da jovem perderam-se na paisagem devastada que se espalhava diante dela.

Sim, o caminho certo.

Atos de desespero eram inúteis. Eles simplesmente causavam lamentação em uma população já dizimada. As pessoas não entendiam que, agora, cada vida era importante? Que cada homem, cada mulher, agora carregava a semente do renascimento neles? Que o mundo do homem iria precisar da energia e das habilidades de cada sobrevivente, a fim de ser reconstruído quando este pesadelo finalmente acabar?

Alguns momentos atrás, o rádio tinha estalado em um tom lacônico que um homem desesperado teria conseguido agarrar um dos gêmeos em torno da cintura antes de se explodir. Um homem de idade, com explosivos em volta da cintura. Algumas testemunhas teriam reconhecido um ex-campeão de artes marciais, de acordo com seu terno e o cinto que ele usava entre duas fileiras de munições. Uma tentativa absurda, um sacrifício inútil. Como pode esse homem pensar, por um segundo, que ele teria sucesso em fazer o que uma bomba nuclear não conseguiu realizar?

Infelizmente, esse não foi o único caso. Regularmente, homens, ou até mesmo mulheres, cheios de tristeza e ódio, levantaram-se para ir contra a morte, com a desilusão de que iriam obter uma vingança impossível.

Nenhuma arma poderia atingir essas máquinas, nem mesmo a melhor arma que era um Super Saiyajin. Todo mundo deveria ter entendido isso agora… Mas entre compreender e aceitar isso… há algum tempo isso é um abismo que a razão não poderia preencher.

Bulma abriu a mão que ela tinha mantido perto, até agora, a fim de olhar para a cápsula que colocou na palma da mão. Ela tinha que ser o suficiente para que ninguém que não era da vizinhança pudesse encontrar onde ela morava.

Ela estava consciente de que o futuro dos homens estava somente agora em suas mãos. Quem mais poderia encontrar uma maneira de parar finalmente esses coveiros da espécie humana?

Quanto tempo, quantos dias ela precisaria para explorar cada trilha, estudar cada possibilidade?

Ela finalmente entendeu que não só a vida de seu único filho dependia do sucesso da construção desta segunda máquina.

No entanto, o negócio consistia, apesar de seu incansável trabalho, a aplicação de todos os seus conhecimentos e talentos… alguns dispositivos eram impossíveis de reinventar. Era inútil criar qualquer coisa sem esses componentes que eram tão complexos quanto eles eram essenciais.

Um último olhar ao redor e a cápsula voou para o ar para explodir com a seu característico pequeno som 'puff', mesmo antes de chegar ao chão.

Ela não tinha outra escolha senão ir procurá-los nos lugares onde havia uma pequena chance de encontrá-los. Ela precisava deles.

A jovem ajustou em seu ombro a submetralhadora que estava batendo em seu lado. Ela sempre odiou armas de fogo, mas esta medida poderia vir a ser útil. Com a outra mão, ela verificou que, na profundidade de um de seu bolso, colocou uma caixa de metal.

Ela tinha tudo o que era necessário, era inútil expor-se inutilmente por mais tempo!

Um veículo operacional, com a tecnologia da Corporação Capsula, em que alguns foram mortos por menos do que isso!

Quando ela voltar, ela iria para o lado oposto de seu ponto de partida para desembarcar… Apenas para evitar o comitê de recepção mal-intencionado.

No momento seguinte, o ronronar quase esquecido das turbinas de um mini-jato perturbou a paz da capital em ruínas.

Bulma levantou-se, emitindo um longo suspiro.

Era o último laboratório, quase a última esperança.

Mas não havia mais nada, nada além de ruínas, materiais destruídos e os detritos enferrujados.

As pontas de seus dedos estavam cobertas de sangue. Ela foi procurando, escavando, passando por montes de entulho, contando com o assobio de seu mini-detector. Que no final não tinha sido útil. Havia tantos detritos metálicos que até mesmo o componente especial tinha sido liquidado, o aparelho tocou várias vezes. Não foi tão surpreendente, dado que eram as ruínas de uma empresa que se especializou no desenvolvimento e na montagem de dispositivos de alta tecnologia, o tipo que ela não tinha.

Mas não!

Era como se os androides tivessem cuidadosamente alvejado os lugares onde se reuniam pesquisadores e alta tecnologia. Se assim fosse o caso, isso significava que eles estavam cientes de que existia uma maneira de pará-los! O famoso botão de 'parada' que Kulilin sonhou. Gohan realmente tinha relatado como eles ficaram preocupados com o Maserfuse… Não por causa de sua natureza, mas porque acreditavam que era um controle remoto.

No entanto, era razoável pensar que Gero tinha escolhido com cuidado especial as frequências necessárias para esse controle remoto. Era impossível encontrá-lo por acaso, não sem uma pista para determiná-lo.

Não, a máquina do tempo era a melhor solução… Além disso, ela tinha que trazer Trunks de volta. A menos que…

Perdida em seu pensamento, Bulma não viu nada chegando e antes mesmo que ela pudesse fazer o menor movimento, ela se viu alvo de sua própria submetralhadora.

Que tola ela tinha sido! Ela nunca deveria ter a colocado para baixo! Mesmo para vasculhar os escombros com mais facilidade!

O ladrão era jovem, quase uma criança.

O coração de Bulma apertou. Mesmo modelo, mesmo corte de cabelo, mesmo terno, jeans, tênis, camiseta e lenço… Aquele garoto parecia o Nº17!

O adolescente caiu na gargalhada, antes de disparar uma explosão no ar quando Bulma tinha virado a cabeça ao som de dezenas de pés pisando em cima do monte de entulho.

Rapidamente, apareceu uma banda inteira de jovens com cortes de cabelos Bob lisos a cercando. Até as meninas tinham seus olhos em forma de amêndoa.

Bulma se enfureceu contra a sua estupidez. Ela deveria estar perdida. Voltando à Capital do Oeste sem meios de transporte poderia muito bem levar meses! Meses de viagem durante o qual o pior poderia acontecer. Quantos mortos poderiam ter a mais durante todo esse tempo perdido!

Não há necessidade de pânico, eles eram apenas crianças, afinal.

"Hey! Oi gente… Eu não vi você." Com rapidez, ela não deveria dar-lhes tempo para reagir. "Eu estou procurando por alguém que teria trabalhado aqui. Você não sabe se um deles vive por aqui, por acaso?"

A menina, que estava grosseiramente mastigando algo com a boca aberta, a olhou de cima e de baixo. O que ela poderia estar mastigando desse jeito? Tinha sido impossível encontrar chiclete há anos.

"Você provavelmente não é daqui para pedir tal coisa, bruxa velha. Como você chegou aqui?"

Bulma não teve tempo para reagir ao insulto que um rapaz, cujo cacho teve uma difícil adaptação com o corte de cabelo bob liso, riu.

"Quer apostar que ela veio com o jato que ouvimos vindo?"

Outra menina, inclinou-se para a sua presa.

"E se você nos der essa jaqueta, para que pudéssemos usa-la… 'Caramba, ela é tão legal! É um desperdício vê-la em volta de uma velha bruxa!"

Cortada rapidamente, furiosa com a idéia de que alguém pudesse ter essa jaqueta, ela não a largaria uma vez que ela tinha percebido que seu filho, longe dela, não voltasse, Bulma gritou:

"Nada vai levar esta jaqueta, está claro?"

O círculo, que estava ficando cada vez mais fechado, passou para trás devido à veemência desse grito inesperado.

Mas se acalmando tão rápido quanto ela tinha perdido seu temperamento, ela continuou, cheirando uma parte da gola do casaco que ela trouxe até o seu rosto.

"Isso é tudo que eu tenho do meu filho." Ela disse com um tom triste. "Ele tinha a sua idade."

Bulma, com um véu de lágrimas nos olhos, observava o grupo de ladrões na tomada. Eles, obviamente, foram abalados por esta revelação, o que não era surpreendente. Era muito raro agora encontrar pessoas que não tinham perdido um ou mais dos seus parentes em uma das maratonas de destruição dos androides.

A jovem mulher fez a maior parte de sua ligeira vantagem. Ela calmamente atravessou o cordão de isolamento do grupo para iniciar e sair como se nada tivesse acontecido, um grande sorriso hipócrita em seus lábios. "Bem, vocês todos são muito bons, mas é hora de eu voltar para meus amigos, eles vão se preocupar…"

O som de uma explosão de uma submetralhadora que ela enraizou no local. Em nenhum momento desses, o pacote estava em torno dela mais uma vez.

"Queremos aquele jato!" ordenou um deles.

Bulma teve dificuldade em engolir sua saliva. Não ia ser assim tão fácil… Talvez se ela continuasse com seu blefe?

"O jato?… Bem.. isso é para dizer…"

O cano da arma moveu-se debaixo do seu nariz.

"Gaki… reviste ela!"

Antes de o menino ruivo estender a mão na direção dela, Bulma tomou uma cápsula de um de seus bolsos e mostrou-a com a velocidade de um ilusionista.

"Não há necessidade de fazer isso, eu tenho só isso comigo!"

Os olhos do chefe do grupo desencadearam com inveja quando ele murmurou, com um sorriso quase feliz.

"Um jato na cápsula."

Mas Bulma negou imediatamente.

"Oh não! Sinto muito. Isto é o que eu estava tentando dizer. É um dos meus amigos que tem isso…"

Antes que os os jovens tivessem tempo para serem surpreendidos, ela jogou a cápsula que abriu com uma enorme nuvem de vapor após dois saltos altos no chão coberto com pó de cimento.

Puff! Um pequeno frigorífico, com um sistema independente apareceu em pouco tempo sob os olhos de um grupo de crianças surpreendidas.

Meninos e meninas se entreolharam, sem saber como reagir, até que uma menina curvou-se para a frente para abrir cuidadosamente o frigorífico.

Ela, então, levantou-se, triunfante levantando uma lata.

"Soda! Há sucos, bebidas energéticas e até mesmo cerveja!"

Logo em seguida, era uma corrida até o frigorífico, os adolescentes empurrando um ao outro, dando uma cotovelada em seu caminho para o dispositivo, a fim de arrancar a bebida que cobiçaram do pacote.

Bulma começou a se mover para trás. Ela estava quase murmurando.

"Bem… É hora de eu ir…"

Então ela notou que a submetralhadora foi esquecida para permitir que seu proprietário para correr melhor até a geladeira. Ela virou-se no primeiro passo tão rápido quanto pôde antes de executar.

Tendo lançado para baixo o monte de escombros que tinha sido a empresa que ocupou neste campo, ela correu para a parte mais próxima da parede que ainda estava de pé. Ela mergulhou por trás dele e tomou sua respiração, longe dos olhos de ninguém.

Uma rápida olhada na direção de seus atacantes… Nenhum ser visto.

No momento seguinte, um grupo de adolescentes que foram bebendo qualquer refrigerante, sucos de frutas ou cerveja, olhou com decepção de um jato, com o logotipo da Corp. Capsula, voando cada vez mais longe, deixando um rastro de vapor acendido acima de suas cabeças.

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu