DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

Hanasia, Rainha dos Saiyajins

Escrito por Salagir

Adaptado por Mulekda e Carinha

Esta história se passa no planeta dos Saiyajins, bem antes de eles serem a população assassina que pôs medo na galáxia inteira, na era do Rei Vegeta...
Se você já se perguntou como essas pessoas tão poderosas viviam em comunidade, se você quer conhecer qual foi destino dos guerreiros milenares antes do Broly, se as aventuras de uma lutadora frenética e emocional em um mundo de valentões tentá-lo, entre no mundo da saga de Hanasia.


Parte 1 :123
Parte 2 :4567891011121314151617
Parte 3 :18
[Chapter Cover]
Parte 2, Capítulo 15.

Tradução: Gokan

Revisão: Carinha

 

A luta espacial do Deus do Leste

 

Quando Hanasia abriu os olhos, estava em sua frente um ser estranho, que ela nunca tinha visto em sua vida. Era muito grande, pele avermelhada, seu rosto era o de um Saiyajin, mas distorcido. Olhos menores que estavam longe um do outro, orelhas estranhas, etc… etc… Não era um saiyajin. Talvez um tsufurujin? Mas eles não deveriam ser bem pequenos?

E então ela se lembrou do que ela estava fazendo no chão. Ela imediatamente detectou grandes poderes. Também notou que não estava mais ferida

— Minhas fraturas…, mas… eu deveria estar morta!

— Eu cuidei de você. — disse o estranho.

— Você é um Tsufurujin?

— Não.

Vendo que Hanasia estava bem, ele olhou para longe.

— Meu mestre precisa de mim. — e com estas palavras, desapareceu de repente.

Hanasia procurou ao redor por ele, mas não estava lá. Ela procurou seu poder e finalmente o encontrou. Junto com as outras forças. Um ser que podia curar essas feridas e se mover tão rapidamente… tinha um mestre?

E lá estava… sim, o poder deste ser, mas também outros, muito mais esmagadores. O poder extraordinariamente aterrorizante que o Guerreiro Milenar tinha… Sim, ele estava ainda mais forte do que antes! E um outro poder muito grande. Superior ao dela mesma, pensou, mas agora menor do que o do Guerreiro. Finalmente, gerado por uma multidão de saiyajins, todos jogando o seu próprio poder… sim, atirando juntos, para fazer uma enorme bola de energia! Sua luz era visível até mesmo daqui.

Romanesco lutou de todas as formas. A bola de energia foi arremessada em sua direção e ele quis se proteger ou evitá-la, ou melhor, ele queria empurrá-la. Empurrá-la de volta com a sua potência máxima. Ele queria sentir a energia do ataque nele mesmo, cercá-lo, para em seguida, jogá-la para trás, porque ele podia, porque era assim que ele queria. Esses adversários, todas essas pessoas lá embaixo, essas pequenas criaturas veriam a bola voltar para eles, inexoravelmente guiado por seu ataque, e seriam dizimadas pelas suas próprias energias. E a bola empurrada iria se chocar contra o chão e faria uma explosão que acabaria com todos aqueles que poderiam ter escapado. O chão se levantaria, cerca de uma milha, e a terra tremeria novamente. E todo o cenário seria destruído. O planeta seria uma pilha de cinzas.

Mas ele não podia, por causa desse gnomo horrível nas costas!!!

Ele estava duro, porque o Kaioshin tinha o poder de paralisar. Ele poderia se livrar do aperto do gnomo, sim, mas só depois de tentar por alguns segundos! Após o contato!

E de repente, ele teve uma ideia. Um segundo antes de a bola de fogo o tocar, ele iria se virar de súbito. A bola gigante de energia atingiria sim, mas ele sobreviveria. O duende estaria entre ele e a explosão, por outro lado…

A bola de energia carregada iria atingir o Kaioshin. Ele sentiu seu calor. Mesmo largando Romanesco agora, já não teria tempo para fugir. Ele permitiria que acontecesse de qualquer maneira, seria uma pena servir seu corpo como um escudo para o Guerreiro. Ele libertou seus braços, mas não o seu ataque psíquico paralisante. Ele disse a si mesmo que tudo ficaria bem. Apesar de sua própria morte.

Kibito poderia terminar o trabalho com este guerreiro. Não seria fácil, mas ele seria capaz. Em seguida, ele encontraria outros Kaioshins. Certamente nos próximos cinco a dez mil anos, uma nova geração poderia assumir esse papel, e Kibito ainda estaria vivo nesse momento. O universo não era assim tão perigoso, era improvável que alguma coisa pior do que o guerreiro ou Majin Buu fosse chegar em breve. Este guerreiro era uma anomalia, não é como se esta espécie fosse produzir seres assim regularmente. Quanto a Buu, ele estava em um casulo fortemente selado em um planeta distante. Bibidi está morto, e ninguém sabe como desfazer o selo de Buu.

O Kaioshin poderia morrer com o coração leve.

Kibito de repente apareceu diante dele, e ambos desapareceram. O Kaioshin do Leste não iria morrer agora.

 

A bola de fogo tocou as costas de Romanesco, que gritou enquanto era empurrado em alta velocidade para o céu.

Subiu e subiu e subiu, e o céu azul com manchas marrons (as nuvens são cheias de minerais e não são brancas) abriu caminho para o céu noturno. Ele continuou a subir e não mais sentia o vento. Ele estava… em um lugar diferente. Ele tentou se afastar de novo e de novo, eventualmente moveu o seu corpo para o lado e escapou, finalmente, da bola de energia.

Mas a bola não estava indo embora atrás dele. Ela apenas se afastava lentamente para o lado. Ele não a ouvia. Já não sentia seu calor. Apenas a sua luz ainda o incomodava. Ele já não ouvia mais nada. Não conseguia respirar. Seu corpo estava estranho, todos os lugares doíam. No entanto, ele não sentiu dor verdadeira por um longo tempo.

O céu da noite, estrelado, era tudo acima dele, abaixo, aos lados, em todos os lugares. Em um ponto, havia um objeto como a lua, mas muito, muito grande, e não da mesma cor. Fez movimentos para tentar se mover, mas não funcionou. Sentiu mais frio. Seus olhos pareciam querer explodir e suas veias, estourar. Ele usou todo o seu poder para impedir isso. Em seu corpo, ele sentiu uma agressão perpétua. Foram os raios não filtrados do sol. Havia suor no corpo, mas agora o suor era feito de gelo.

Ele lançou sua energia de uma vez, não aconteceu nada. Ele começou a lançar bolas de energia, e o céu girou em torno dele cada vez mais rápido. A grande lua agora girava muito rapidamente. A bola de fogo gigante, que agora se afastava em alta velocidade, também girava ao seu redor. O mundo inteiro estava girando rapidamente em torno dele.

Kaioshin e Kibito apareceram no espaço ao lado dele.

— Volte daqui a um minuto — disse telepaticamente Kaioshin. — É inútil para você suportar o vazio.

Kibito desapareceu.

— Então — disse Kaioshin para si mesmo, uma vez que o guerreiro não podia ouvir — estamos enlouquecidos pelo vácuo do espaço? Você gira em todas as direções, e está se movendo a milhares de quilômetros por hora em relação ao seu planeta inicial, sabia disso?

Romanesco deu socos furiosamente no vazio em direção Kaioshin, a única coisa no universo que não fazia círculos em torno dele, porque Kibito havia se teletransportado em relação ao guerreiro; por isso que ele se deslocava da mesma forma.

— E sim, você foi libertado da bola de energia, mas você ainda tem a velocidade dela… Nada vai pará-lo na vastidão do universo… E não há mais pressão ao seu redor. Todo o seu corpo quer explodir por conta dessa falta de pressão, como um pacote de batatas chips que foram levados para as montanhas… Só a energia de seres poderosos como nós mantém a coesão. Além disso, é mais do que apenas frio, uma vez que é zero absoluto! Finalmente, o sol mais próximo está te atacando com várias radiações que a sua atmosfera sempre conteve… Mas para um bruto como você, isso não é nada.

Romanesco tentou gritar, mas seus pulmões completamente retraídos, vazios, e empurrados pelo resto do seu corpo, fizeram-no sentir-se horrivelmente mal.

— Vejo que você tentou respirar… Erro terrível. Você deve prender a respiração no espaço e manter o ar dentro do seu corpo… porque nada vai substituí-lo. Enfim… Como eu pensava, o seu poder é tão grande que, apesar de tudo isso, você não está pronto para morrer. Parece claro que você consegue se agarrar à vida, uma vez depois da outra, mesmo com dor. Será talvez uma hora, duas horas até você sucumbir? Eu deveria me colocar em estase para fazer o mesmo… Assim como esperado, você continua a ser um perigo. Especialmente, se você descobrir por acaso como se mover no espaço e cair sobre um planeta habitado.

Romanesco jogou uma bola de fogo no Kaioshin, que então parecia se mover para longe dele.

— Oh, você descobriu.

Kaioshin enviou discretamente pequenas explosões a partir da palma de sua mão e já não estava no caminho da bola de fogo. Ele estava chegando duas vezes mais lento do que o esperado, porque metade de sua velocidade foi transferida ao seu lançador, que agora estava se afastando bem rapidamente.

Kaioshin então lançou outras explosões e avançou para o guerreiro. Quando chegou ao local onde o guerreiro estava, este deu-lhe um soco, mas a Kaioshin tinha freado no último momento, e esse punho, ele simplesmente segurou.

Romanesco retraiu seu punho, mas o Kaioshin só veio a ele, sem qualquer resistência e sem o seu peso a ser sentido. Ele deu um soco com a outra mão, sentiu o choque, mas Kaioshin apenas o largou e foi mandado para longe dele. Não parecia ter sofrido muito com o ataque. Ah, as diferenças de combate no espaço!

Kaioshin veio a Romanesco, que pensava que ele estava acima dele. Mas, na verdade, ele reapareceu embaixo. O deus girou em torno dele… Na verdade, não. Foi Romanesco quem rodou, em relação ao Kaioshin. De fato, enquanto o Kaioshin segurava o seu punho, ele lhe dera uma ligeira velocidade. Agora, o Guerreiro girava como um tolo e só via o seu adversário uma vez a cada 2 segundos. Ele não sabia onde ou como ajustar isso com uma bola de fogo.

Mas tinha que acabar. Kibito retornaria logo. Eles vinham escapando do planeta em alta velocidade, mas era necessário assegurar o fim do guerreiro. Kaioshin apenas olhou para o lado do sol para verificar onde estava. Ele não deveria olhar diretamente para ele, ou seus olhos queimariam instantaneamente.

Ele lançou algumas bolas de fogo em Romanesco para "ajustá-lo", a fim de ter a estrela em suas costas. Então, ele se posicionou na frente do Guerreiro. Então, colocou as mãos em posição, para preparar muito obviamente um poderoso ataque de energia.

 

— Está na minha frente! Não se move mais! — Romanesco pensava. — Ele quer me atacar de frente, o insolente! Este leprechaun será destruído e desta vez não vai sobreviver!

Romanesco também colocou as mãos em posição de ataque e direcionou sua energia. Seu poder já estava carregado e tinha ultrapassado o nível de energia do ataque de seu adversário. Se ele não disparar… então sua derrota será ainda mais destrutiva. Ele pensava ser cada vez mais provável ver sua bola de fogo atravessando o outro como se fosse papel. E o elfo atirou. Romanesco fez o mesmo. As bolas de fogo, em seguida, aproximaram-se enquanto os dois adversários se afastavam. Em seguida, elas tocaram. Suas pontas se chocaram contra a outra e, juntas, eles empurraram quem as disparou.

Romanesco e Kaioshin foram empurrados ainda mais rápidos. Kaioshin sentiu o poder do impacto, mas ele estava preparado para isso. No espaço, só foi empurrado, porque não existe resistência ou choque. Ele continuou a enviar energia para separá-los ainda mais rápido. Seu adversário não suspeitou de nada. Ambos já se afastavam para além de milhares de quilômetros por segundo. O Guerreiro do Milênio não sabia disso, mas ele nunca chegou a uma velocidade tão incrível… Relativa, por exemplo, ao sol que se aproximava.

 

Kibito apareceu ao lado de seu mestre. Ele tocou-o e ambos desapareceram.

O Guerreiro Milenar continuou a enviar mais e mais energia sem saber que ele não tinha mais um adversário. Era tão difícil entender o que estava acontecendo em torno de si mesmo, aqui!

Ele sentiu suas costas queimarem mais e mais. Ele quis virar a cabeça, mas seu corpo não conseguiu. Em seguida, ele continuou seu ataque, mas atirando as energias em todas as direções, e tornou a rodar…

Ele viu aonde ia, o que o estava queimando. Viu um momento e então já não viu nada. Ele gritou enquanto seus olhos brancos eram destruídos. Ele queria enviar bolas de fogo nesta coisa, mas ele não mais via. Ele deveria ter enviado ataques perpendiculares às partes do corpo que mais ardiam, mas como fazer isso ou mesmo tentar adivinhar quando não se tem o senso de direção?

Ele não sabia, mas ia cada vez mais rapidamente, sendo sugado pela atração dessa estrela gigante. O efeito que sentia era de que ele queimava mais.

O choque foi tão grande que ele desmaiou. Ele perdeu a sua transformação e novamente se tornou mortal. A dor o acordou.

Ele sentiu que estava caindo em alguma coisa, e morreu na hora, seu corpo tinha derretido a uns milhões de graus.

 

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu