DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

Dragon Ball Multiverse, o romance

Escrito por Loïc Solaris & Arctika

Adaptado por Rafael

Tradução da fanfic francesa de DBM para o português

Intro

Parte 0 :0
Parte 1 :12345

Round 1-1

Parte 2 :678910
Parte 3 :1112131415
Parte 4 :1617181920
Parte 5 :2122232425
Parte 6 :2627282930

Lunch

Parte 7 :3132333435

Round 1-2

Parte 8 :3637383940
Parte 9 :4142434445
Parte 10 :46
[Chapter Cover]
Parte 1, Capítulo 4.

PARTE 1: UM TORNEIO MUITO ESTRANHO

Capítulo 4

Traduzido por Rafael


As memórias dos eventos ocorridos na Sala do Templo colocaram um sorriso na face de Vegeta.

“Só há um modo de saber se você continua mais poderoso do que nós, Gohan!”

“Sem chances, Vegeta.” Respondeu Gohan. “Eu não sou como meu pai, eu não me deixo levar por palavras. Eu serei um espectador.”

“Eu espero estar à altura das expectativas de Goku-sensei,” disse Uub, “e espero impressionar Gohan e Vegeta-san.”

Provavelmente por pura percepção, Goku colocou uma mão no ombro de seu pupilo de forma a o tranqüilizar. “Não se preocupe, Uub. Eu acredito que você irá se virar muito bem.”

Uub sentiu sangue corando suas bochechas. “Eu farei o meu melhor.”

“E o vovô Satan? Perguntou Pan. “Ele não virá… ”

“Você pode ir vê-lo e perguntá-lo diretamente a hora que quiser,” ofereceu Goku.

Pan se levantou entusiasmada. “Você vem comigo?”

“Desculpe, Pan,” respondeu Goku, “Você terá de ir sozinha dessa vez. Eu quero ir ver outra pessoa antes de ir para o torneio.”

“Certo, bem, Estou indo!”

“Pan, espera!” Videl falou tarde demais. Pan sabia como agir muito rapidamente em sua idade (de forma a evitar repreensões). Ela girou em alta velocidade em direção à Cidade Satan. Normalmente Pan teria ficado aborrecida por seu avô nã querer acompanhá-la, mas dessa vez ela estava cheia de alegria por estar indo ver seu outro avô.

Gohan envolveu seus braços ao redor dos ombros de Videl em um gesto quente e reconfortante. “Não se preocupe, ela irá estar de volta em algumas horas. Além do mais, nessa velocidade eu não vejo o que seria capaz de pega-la! Ela não corre risco algum...

Videl sorriu. “Eu sei, mas ela ainda sim deveria pedir permissão... Ela ainda é uma garotinha.”

“Vejo vocês pela manhã.” Disse Goku. “Não partam sem mim!”

Goku desapareceu em tamanha velocidade que Uub não teve nem mesmo tempo para reagir. “Oh! Goku-sen...sei...”

Era bem óbvio de onde Pan havia herdado seus hábitos. Seu avô havia partido sem aviso prévio para um destino conhecido somente por ele mesmo. Quantas vezes Chichi tinha visto ele desaparecer de casa por dias ou semanas em determinada época? Ou mesmo anos? Desde o casamento deles Chichi finalmente havia se cansado de se remoer sobre isso. Afinal, ele sempre retornava... Mesmo dos mortos.

Bulma de repente quebrou o silêncio que Goku impôs em sua partida abrupta. “Bem, eu não quero ir com vocês, mas eu ainda posso fazer algo de útil. Eu imagino que esse torneio não será uma ida até o parque... Eu irei fazer roupas que podem absorver maiores impactos... ”

“Iguais as de quando começou o torneio de Cell?” perguntou Vegeta.

“Absolutamente.” Respondeu Bulma. “Irá provavelmente me tormar a noite toda, mas eu prefiro saber que vocês irão estar bem equipados.”

Chichi franziu e testa. “Eu não preciso que você tome conta de meu marido! Ele tem tudo o que ele precisa em casa... Gohan! Traga para seu pai algumas roupas.”

“Eu irei fazer isso.” Respondeu Gohan.

“Espera, eu irei, também.” disse Videl.

“Goten”, disse Trunks, “nos precisamos achar um lugar deserto para ficar a noite!”

“Boa idéia!” respondeu seu melhor amigo com um aceno da cabeça.

Com isso, Gohan, Videl, Trunks, e Goten voaram em diferentes direções, deixando somente Vegeta.

“Você se encontra sozinho,” disse Piccolo.

Vegeta o olhou nos olhos. “E daí? Você acha que isso irá me impedir de esmagar todos eles?”

Bulma se abraçou nos ombros de Vegeta. “Você irá me levar até em casa, querido?”

“Se você insiste…” suspirou Vegeta.”E você, Bra?”

“Eu irei pegar uma capsula e voar até a Cidade Satan.” Respondeu sua filha.

“Como desejar.” Vegeta rosnou.

Depois de deixar uma cápsula avião para sua filha, Bulma foi pega nos braços de seu marido. “Sabe...” Disse Bulma, apertando seu abraço e se aconchegando para mais perto de Vegeta. “Eu pretendo curtir nossa última noite juntos antes de você partir...”

“Idiota!” Respondeu Vegeta, ficando vermelho. “Dizendo isso na frente de todo mundo, por que você não...!”

Casa de Kame. Para muitos, incluindo Bra, era um lugar isolado e sem nada de interessante. Para outros, no entanto, era um caloroso paraíso conveniente para encontros. Para alguns, finalmente, era um casa a qual eles poderiam chamar de lar.

Vivendo nessa pequena ilha por um século ou dois, Mestre Kame comumente gastava seu tempo pescando nas costas de sua tartaruga, Umigame, ou(especialmente) assistindo mulheres bonitas na televisão fazendo ginástica quando ele não mergulhava de nariz em suas obscenas, sugestivas revistas. Seu comportamento não havia mudado desde que conheceu Goku e Kuririn, ou quando o último havia se estabelecido permanentemente com sua esposa, #18, vinte cinco anos atrás.

Quando Goku tinha chegado na ilha via teletransporte, ele imediatamente escutou Kuririn e Kame argumentando sobre o mesmo tema recorrente do qual argumentavam por décadas.

“Não, não é!” disse o melhor amigo de Goku.

“Você não tem ordens a me dar, seu patife!” Retrucou o velho Mestre Kame. “Eu sou seu mestre e você me deve respeito!”

“Eu já superei seus poderes há muito tempo.”

“Isso não importa! Eu continuo sendo o mais velho e apenas por isso você me deve respeito.”

O velho homem sentou-se de repente quando ele viu o guerreiro saiyajin. “Oh! Goku!”

Kuririn virou-se, surpreso. “Goku?”

O Saiyajin passou pela porta de entrada da Casa de Kame, mostrando um enorme sorriso como de costume.

“Olá pessoal!” cumprimentou Goku com um aceno de mão.

Mestre Kame havia sentido ele chegar. Questão de hábito. Kuririn, por outro lado, as vezes faltava a vivacidade para tal. Desde seu casamento, e especialmente o nascimento de sua filha, ele manteve uma constante atitude de vigilância permitindo a si um melhor entendimento de seu ambiente de forma a detectar possíveis ameaças.

Mestre Kame estava feliz e não hesitou em importunar seu ex-pupilo. “O que o trás até aqui? Dando uma passadinha para ver se eu ainda estou vivo?

Um enorme sorriso iluminou a face de Goku. “Eu tenho grandes noticiais! De forma bem resumida, eu estarei participando de um torneio entre diferentes universos. Como isso me lembrou dos velhos tempos, eu vim até aqui para ver se você estaria interessado. Kuririn.”

Seu velho amigo o olhou com interesse. “Pera, pera, Eu quero mais detalhes primeiro. O que é esse torneio?”

“Eu quero saber também.” Disse Roshi.

“Não tendo muito escolha, Goku explicou da melhor forma que pôde o pouco do que ele sabia sobre a aventura por vir.

Kuririn cruzou os braços e pensou por um momento.

“A idéia desse torneio é realmente interessante!” disse Mestre Kame. “No entanto, o nível poderá ser muito alto...”

Kuririn ficou mais sério. “Isso é muito além do meu nível! Faz muito tempo desde que eu treino... Mas eu ainda posso ir e apoiar você!”

Uma voz feminine veio do nada. “Nem pensar.”

Marron havia chegado com sua mãe. Ambas eram lindas e vestidas com estilo, embora um pouco rebelde demais no caso de #18. Sua idade nunca parecia trair sua beleza. Ser um ciborgue tinha suas vantagens.

“Pai,” disse Marron, “você prometeu que nos iriamos fazer compras. Você não pode ir agora!”

“Ah, eu havia me esquecido completamente.”

Kuririn parecia desapontado olhando Goku. “Eu queria poder ir...Mas...”

Goku colocu uma mão compassiva no ombro de seu amigo desapontado. “Não se preocupe, Kuririn. Eu irei lhe contar tudo quando nós retornarmos.”

“Deverá ser ao menos tão impressionante quanto o Torneio de Cell, certo?”

“Há uma boa chance!” respondeu Goku com um sorriso. “Estou realmente esperançoso por isso.”

Goku olhou para sua mão e fez gesto de força com o punho fechado antes de olhar nos olhos de Kuririn. “Isso me lembra de nosso primeiro torneio. Lembra?”

A face se Kuririn se iluminou. “Mais é claro... Como eu poderia me esquecer disso? Bons tempos… “

Por horas os dois amigos refletiram alegremente sobre o passado. Com o tempo, Goku foi convidado a comer e então dormir na Casa de Kame. Mestre Kame veio se juntar a conversa nostálgica que durou até tarde da noite...

Quilômetros de distancia da Casa de Kame: Cidade Satan

A Cidade Satan era um grande contraste comparada a pequena ilha onde a Casa de Kame estava localizada, com muitos arranha-céus com vista para a típicamente apressada e alvoroçada vida urbana. A cidade Satan foi noemada 27 anos atrás depois da pseudo vitória do maior herói da Terra contra o maligno Cell. Obviamente, somente poucos privilegiados sabiam da verdade, um pequeno grupo no qual Buu se incluía.

Mas agora o herói da Terra estava aposentado. Ele estava mesmo ficando velho. Na verdade, ele geralmente se queixa de dores nas costas. Hoje não era exceção. Quando Pan chegou em sua vila no coração da cidade, ele pediu a Buu para usar um de seus truques para o ajudar.

A pequena garota envolveu seus braços ao redor do pescoço de se avô. Ela não parava de falar. Ela deu todos os detalhes sobre o torneio, delirava sobre participar em tal evento. Satan não entendeu completamente a história, e ela parecia bem forçada. Mas afinal, as histórias sobre os Saiyajins pareciam igualmente forçadas, então quem era ele para julgar? Todavia, o sorriso de Pan, enquanto falava, era um indicador de seus sentimentos. Esse lindo entusiasmo era regozijante de se ver e colocou um grande sorriso por debaixo do bigode do campeão... Um sorriso que desapareceu rapidamente quando ela veio com o verdadeiro propósito de sua visita. Um silêncio se estabeleceu por alguns segundos antes do avô da garota vir com uma resposta.

"Aaaarggghh minhas costas! São minhas costas de novo! Estão piorando! Aaaahh... é impossível... Eu não acho que eu possa ir... Que vergonha!"

Pan foi pega de surpresa. “Mas vovô...”

Buu colocou uma mão em direção ao velho homem, segurando em outra um gigantesco pirulito. “Tudo bem... Eu irei tomar conta de você...”

“Você não vai vir também?” Perguntou Pan.

Outra pausa. Buu imaginou-se como o vencedor do torneio. Se ele fosse o vencedor ele poderia ter uma galáxia inteira de doces para si. Um enorme sorriso preencheu sua face antes de uma voz encerrar seu devaneio. “Sua entrega chegou, senhor"

Um criado, vestido todo de branco, entrou na sala e ajoelhou-se levemente. “Meus doces?” Perguntou Buu.

“Sim senhor.” Confirmou o criado. “Três caminhões lotados de doce…”

A face de Buu se iluminou. “YAY! Uhuu huuu!”

Parecia evidente para Pan que Buu não iria entrar no torneio. Enquanto Buu estava começando a devorar seu doce, Pan perguntou ao seu avô se eles não tinham sido visitados pelo pequeno robô.

“Hmm.” Satan refletiu. “Então era disso que aquilo se tratava. Nós pensamos que aquilo era algum tipo novo de câmera ou espiões que queriam nos filmar. Buu transformou-o em chocolate e o comeu...”

Certamente Buu não deixava de surpreender a jovem garota…

Na manhã seguinte, Goku estava pronto para partir. Ele estava encarando pensativo a vastidão do oceano quando Kuririn, jutamente com #18, se jutaram a ele para o encorajar uma última vez antes de ele partir.

“Então, há algum prêmio? Perguntou #18.

“Sim, eu acho que é um desejo das esferas do dragão de Namekusei...” Respondeu o Saiyajin.

Kuririn lançou um olhar surpreso para sua esposa. “Você estaria interessada?”

Sorrindo, ela se virou fechando os olhos. “Eu tenho tudo que eu preciso, bem aqui.”

Ela gentilmente deu um beijo na bochecha de seu marido antes de retornar para a casa, deixando para trás um pequeno homem cuja a modéstia ficou com suas bochechas vermelhas escarlate em chamas.

Com um grande sorriso, Goku colocou dois dedos em sua testa, olhando para seu amigo. “Vejo você...”

Kuririn sorriu, levantando um joinha para seu amigo. “Eu confio em você... Você vai vencer!”

A imagem do grande sorriso de confiança de Goku aquecia o coração de Kuririn enquanto seu amigo desaparecia em um instante.

Era por volta das dez da manhã quando a serenidade do santuário de Dendê, Deus da Terra, foi quebrada. Gohan e Videl haviam chegado alguns minutos antes, voando vagarosamente. O saiyajin semi-cientista estava carregando uma mala contendo roupas para ele, seu irmão Goten, e seu pai.

Dende os deu boas vindas e eles conversaram baixo, andando um pouco enquanto aguardavam.

A chegada de Vegeta e Bulma foi surpreendente… O Principe dos Saiyajins tinha sido levado por sua esposa até o templo. Vegeta quase nunca viajava de avião.

Vegeta foi o primeiro a sair do avião com sua opulência de dias ruins e ociosidadde. Bulma apareceu imediantamente atrás, o xingando... Uma pequena maleta prateada em mãos.

“Vegeta! Deveria eu lhe lembrar que é VOCÊ quem deveria carregar isso? Eu não irei ser sua carregadora!”

“Nós não precisamos disso!” Rosnou o Príncipe dos Saiyajins.

“Vegeta!” Bradou a mulher de cabelos azuis.

Vegeta deu um grunhido com uma expressão facial de chateação. “Me dê isso!”

A disputa em público o deixou sem graça, e ele sabia que Bulma era teimosa... Ele pegou a maleta contendo as cápsulas que Bulma havia preparado com um gesto repentino que surpreendeu Bulma. Vegeta se moveu a um ritmo acelerado em direção ao filho de seu maior rival.

“Gohan,” disse Vegeta, “eu tenho uma missão para você.”

Gohan ficou um pouco surpreso. “O que é?”

“Tome conta disso.” Ordenou Vegeta, entregando a maleta para Gohan.

“Vegeta!” Gritou Bulma bem atrás. “O que pensa que está fazendo?”

“O garoto não está nem participando,” respondeu Vegeta virando-se para sua esposa, mais calmo do que antes, “ele poderia muito bem ser útil em algo.”

"VE - GE - TA!"

Gohan correu sua mão através do puxador da maleta para pega-la. “Tudo bem, Bulma. Eu não me importo...”

Bulma estava aborrecida. “Mas Gohan…”

“Você sempre foi muito gentil.” Acrescentou Piccolo atrás de seu ex-pupilo.

Gohan respondeu simplesmente com um sorriso um levantar de sobrancelhas em aceitação. Desejando mudar o assunto, Vegeta murmurou alto. “Trunks não tem interesse em ser pontual!”

Piccolo respondeu quase que de forma irônica com um a voz profunda. “Ele já chegou aqui há muito tempo com Goten! Eles foram tomar um banho...”

“Oh?” Disse Bulma surpresa. “Pelo menos uma vez na vida ele se levantou antes de seu pai?”

“Ele certamente não teve uma noite para-“

Vegeta repentinamente parou a si mesmo, percebendo que a explicação para o fato de ter acordado tarde iria ser constrangedora... Ele então rapidamente concluiu depois de um leve suspiro. “Deixa pra lá.”

“Os Vargas estão aqui…” Informou Piccolo, levantando os olhos enquanto suas pequenas antenas estremeciam.

Todas as cabeças dos guerreiros levantaram-se juntamente para assistir a nave dos Vargas e Namekuseijins vindo pousar…

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu