DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

Dragon Ball Multiverse, o romance

Escrito por Loïc Solaris

Adaptado por Rafael

Tradução da fanfic francesa de DBM para o português

Intro

Parte 0 :0
Parte 1 :12345

Round 1-1

Parte 2 :678910
Parte 3 :1112131415
Parte 4 :1617181920
Parte 5 :2122232425
Parte 6 :2627282930

Lunch

Parte 7 :3132333435

Round 1-2

Parte 8 :3637383940
Parte 9 :4142434445
Parte 10 :46
[Chapter Cover]
Parte 4, Capítulo 16.

PARTE 4: DOIS UNIVERSOS EM MÁ SORTE

Capítulo 16

Traduzido por Rafael


“Certo! É a minha vez!”

Rikum sorriu. Seu oponente era um Namekuseijin. Isso deverá ser bem simples. Ele teve mais sorte que Jeice, pelo menos. E ele nunca poderia ser tão imprudente quanto Butter. O último havia acabado de se recuperar de sua derrota. Ele se levantou dolorosamente, com uma dor de estômago. Claramente, o Kaioshin havia aplicado um bom golpe.

“Se apresse e vença, Rikum,” ordenou Freeza.

“Okay, senhor,” ele respondeu com uma pose atenta. “Mas primeiro, eu preciso de um rastreador modificado.”

Rikum e Freeza se viraram para encarar uma cabeça deformada com uma pele roxa coberta por manchas.

“Cui, onde está ele?” Freeza perguntou impacientemente.

“Bem, nós encontramos um problema, Lorde Freeza. Acontece que essa quantidade de pessoas aqui faz os rastreadores ficarem instáveis, fazendo-os explodir. Estabelecendo o escopo dos analisadores para cerca de 10 unidades parece ser a única coisa que podemos fazer...”

“Dez unidades é um problema,” disse Freeza com seus braços cruzados, “Bem, vá em frente e dê um para Rikum.”

O último esticara sua mão , esperando pelo rastreador, indicando que Cui era um escravo a seu serviço.

“Esse é... o único que nós modificamos dessa forma...” Cui respondeu em estremecer.

Assim que Freeza ficou furioso, Rikum interveio. “Uh, na verdade, está tudo bem. Eu vou simplesmente pegar o do Butter.”

Ele caminhou até seu companheiro, produzindo pequenos barulhos a medida em que seus massivos pés pisoteavam o chão com cada passo. Ele rapidamente agarrou o rastreador de Butter, modificando o aparato para se fixar em seu olho direito.

Ele olhou para Jeice e Butter e disse, “Caras, se vocês perderam, foi porque vocês não fizeram a Dança de Apresentação! Preparar! Já!”

“Rikum!” Freeza gritou, “Pare com essas brincadeiras imediatamente e lute antes que você seja desqualificado!”

O membro das Forças Ginyu nem mesmo fez contato visual. Ele nem ao menos discutiu e voou direto para o ringue... enquanto Jeice e Butta continuaram com suas danças estúpidas. Assim que ele pousou no ringue, seu oponente já estava preparado em uma posição de luta.

Um dos apresentadores anunciou o começo da luta. Rikum enrijeceu-se... e então de repente começou a fazer estranhos movimentos com seus braços e gritou, “Forças Especiais... Ginyu!”

Ele acrescentou ridículos movimentos de perna. Ele terminara sobre um pé, encarando Nail, que ficou envergonhado de ver poses vergonhosas perante si, gritando seu nome, “Rikumm!”

Assim que ele terminou de gritar ele avançou para Nail rapidamente, gritando com um sorriso vazio de seriedade... Para Rikum, essa luta seria meramente uma formalidade.

Nail conseguiu se esquivar por pouco do ataque de Rikum ao se mover para sua direita. Ele aproveitou a vantagem do ligeiro desequilíbrio para dar a seu oponente um chute vertical para cima. Mas Rikum tinha ótimos reflexos e esquivou-se do golpe ao se deixar praticamente cair para trás.

O Namekuseijin respondeu em um quarto de tempo ao desencadear outro chute, dessa vez um horizontal, mas em um rápido flash, seu oponente se encontrou praticamente de quatro, permitindo-o evitar o ataque.

Percebendo que as costas dele estavam vulneráveis a ataques, o Namekuseijin se virou e saltou para frente para minimizar a distância entre eles. Subitamente, eles avançaram um para o outro e desencadearam ataques e contra-ataques em alta velocidade. Por cerca de vinte segundos, nenhum lutador parecia ter a vantagem até Rikum berrar o seu “Rikum Kick,” com uma confiante e efetiva posição e movimento de ataque. Nail foi acertado em seu rosto e fora lançado no ar, pesadamente colidindo no chão a vários metros de distância.

Na ala do Universo 13, um Saiyajin careca estava cuidadosamente observando a luta. No começo da luta, ele havia deixado escapar que queria que o mais alto fosse eliminado. Ele então sorriu quando Nail fora atingido pelo chute de Rikum.

Vegeta, virando sua cabeça em direção ao seu grande amigo, o desafiou. “Bem, parece que Rikum é mais forte do que aquele Namekuseijin.”

“Bem, se isso for verdade então Nail é muito mais fraco do que aquele tal de Caracagot,” Nappa respondeu simplesmente.

“Ainda que, por algum acaso, vocês dois enfrentaram Namekuseijins no primeiro round,” Raditz interveio, “é uma pena que vocês não irão se enfrentar no torneio. Nós seriamos capazes de ver quem é o melhor de vocês dois e talvez você teria chutado o traseiro dele da mesma forma que ele chutou o seu naquela época.

Nappa e Vegeta olharam para Raditz“...Sim...naquela época...”

“Ei olhem! O Namekuseijin está se levantando,” declarou Kakarotto, distraindo seus três amigos que voltaram a observar o ringue.

“Quer mais um pouco?” perguntou Rikum sarcasticamente, enquanto uma aura branca envolvia o Namekuseijin conforme ele se colocava de pé.

Alguns segundos se passaram sendo que nenhum dos lutadores se moveu. Então, de repente, Nail gritou, cerrando seus punhos e revelando sua força verdadeira. Sua aura fluindo mais violentamente.

O rastreador do Soldado de Ginyu apitou. Ele rapidamente leu o número como 58.000 e aumentando, embora ligeiramente. Certamente, o limite deve ter sido próximo a 60.000.

Rikum não teve tempo de comentar a força pois o Namekuseijin lançou-se até ele, criando um pequena cratera aonde ele estava a menos de um segundo atrás. Nail conseguiu acertar seu primeiro ataque. Seu punho atravessou a armadura, impactando no estômago de Rikum. Rikum engasgou. Nail prosseguiu com um segundo soco em direção ao rosto dessa vez, o qual fez seu inimigo cambalear. O rastreador caiu para o chão e Nail o esmagou, quase que intencionalmente. O Namekuseijin continuou com a atacar Rikum com muitos socos e parecia que Rikum estava tendo dificuldades. Ele recuava de novo e de novo.

Finalmente, Nail violentamente atacou pela esquerda, o que trouxe seu oponente abaixo. Ele esticou seu braço direito, palma aberta com seus três dedos juntos e sua aura reaparecendo. Gritando novamente, uma onda de energia colidiu com Rikum, que havia apenas começado a se recuperar. A explosão que se seguiu foi violenta.

Enquanto a poeira começava lentamente a se dissipar e Nail pegava seu fôlego, Nappa deixou escapar um sorriso... o qual desapareceu quase tão rapidamente quanto quando Vegeta disse, “Não foi forte o bastante.” E de fato, assim que a poeira desapareceu, todos descobriram um Rikum bastante surrado e ferido, mas ele ainda estava de pé, com sua armadura aos cacos. Ele sorriu, limpando a poeira de seu peito.

Ele respondeu simplesmente, “Nada mal... não foi tão ruim... Minha vez!”

Ele abriu sua boca ensangüentada e uma luz apareceu de dentro dela. Ele então gritou o nome de sua técnica, o Rikum Eraser Gun. Um poderoso raio de energia colidiu com Nail que, mesmo se protegendo com um braço, não pode resistir a sua força.

Fumaça e poeira suspenderam-se no ar. Crateras apareceram em correspondência ao trajeto da rajada de energia. No chão, jazia o Namekuseijin, o qual o corpo ainda estava soltando fumaça. Ele tentou se levantar ao se apoiar em seu braço direito pois ele havia perdido seu braço esquerdo e parte de suas costelas.

Rikum aproximou-se dele rindo. Ele segurou o moribundo Namekuseijin pelo pulso e o suspendeu para o alto.

“Sem Resistência! Você não é diferente dos Namekuseijins que nós massacramos em casa...” e ele disse ainda sorrindo.

A imagem de Rikum exibindo sua superioridade incomodou Nappa, acionando uma memória de suas experiencias.

Trinta e dois anos atrás...

Depois de uma reunião com seu mestre, Lorde Freeza, Vegeta, Nappa e Raditz deixaram o centro de comando da nave de Freeza. Caminhando bruscamente corredor abaixo, eles começaram a discutir. “Como diabos ele espera que nós conquistemos Helior em tão pouco tempo? Três dias!? Isso é sério?” Nappa se perguntou em voz alta, amolado. “Nós teriamos que terminar com nossa missão atual agora!”

“Ele está rindo de nós,” acrescentou Vegeta, tão chateado quanto.

“Se pelo menos nós tivéssemos mais uma pessoa...” grunhiu o Saiyajin careca.

“Esperem um pouco, talvez nós possamos arrumar alguma ajuda,” interveio Raditz atrás dos outros dois.

Os dois Saiyajins pararam e se viraram.

“Como você faria isso?” demandou o Príncipe do Saiyajins, braços cruzados através de sua armadura branca.

“Meu irmão caçula provavelmente ainda está vivo. Ele foi enviado para um distante planeta no qual os habitantes não são nem um pouco fortes. Se nós pudermos o achar...”

“Eu pensei que seu irmão tivesse apenas dois de poder de luta quando nós o enviamos,” disse Nappa zombeteiramente. “Mesmo como um adulto, ele não seria muito forte. Não há sentido.”

“Nappa está certo... Mas por quê não?...No pior...Sim, ele poderia ser útil.”

“Eu deverei partir o mais rápido possível para verificar... mas...”

“Não se preocupe. Nós iremos terminar nossas missão atual em dois dias padrões e nós iremos esperar vocês dois para atacar Helior conosco. Vá agora mesmo, não perca mais tempo.”

Sem mais uma palavra, Raditz se virou e correu para sua nave, pronto para encontrar seu irmãozinho, Kakarotto, na Terra. Atrás de Vegeta e Nappa, duas pessoas apareceram.

Eles gritaram, “Ora, ora. Se não são os nossos amigos: os Saiyajins?”

Se virando, Nappa e Vegeta se encontraram cara a cara com dois membros das famosas Forças Especiais Ginyu. Rikum, um homem alto e de cabelos cor laranja, e Gurdo, pequeno em comparação com seu amigo, uma criatura gorducha com olhos esverdeados bem afastados...

“O que você quer?” Nappa perguntou a Rikum rancorosamente a medida em que eles se aproximavam.

“Se acalme, nós apenas queremos falar com Freeza. Nós queremos dar conta de Helior nós mesmos,” disse Gurdo.

“Não me faça rir!” riu Vegeta, “Vocês nunca iriam sobreviver!

“Zombe enquanto pode! Você apenas está chateado por não ser parte da Lendária Forças Especias Ginyu!”

“Sem chance!”

“Tsk, em todo o caso,” respondeu Nappa, “Lorde Freeza confiou a NÓS essa missão.”

Rikum ficou estupefato. “Como? Impossível! Bem... pelo menos há uma chance de todos vocês morrerem, já vão tarde, e então nós poderemos pegar essa missão!”

“O que você acabou de dizer?” disse um Nappa enraivecido, cerrando seus punhos.

“Oh, não fique todo animadinho, pequenino. Guarde suas forças, você vai precisar delas.”

“Seu filho da p***!” Nappa explodiu. “Não pense que sou inferior!”

Ele lançou a si em direção a Rikum, punho par frente... mas o último o parou com uma mão agarrando seu pulso. E o pior, ele levantou Nappa para cima no ar. Uma vez que Rikum era mais alto que Nappa, ele esticou seu braço sobre sua cabeça, agarrando o pulso do Saiyajin fortemente e gargalhando. O orgulho de Vegeta se debatia ao testemunhar o evento, mas ele trincou seus dentes para não gritar. Ele quase tocou o chão... Enquanto o Príncipe do Saiyajins estava se preparando para responder, Nappa atacou Rikum com seu braço livre e Rikum parou-o facilmente.

De repente, Freeza interferiu atrás deles, “Já chega.”

Sua voz, calma e fria, era suficiente para forçar condescendência. Vegeta se levantou, perdendo seu punho e Rikum soltou Nappa, que caiu de joelhos, massageando sua dolorida mão direita.

“Rikum, Gurdo, sigam-me imediatamente.”

Freeza se virou. Com um último e “longe de ser amigável” olhar para os Saiyajins, ambos os membros das Forças Ginyu saíram. Vegeta olhou para seu parceiro, resmungou, e o deixou também. Nappa se levantou, segurou sua latejante mão e olhou para trás dele. Desde então, ele tem odiado Rikum.

Rikum atacou Nail, que parecia estar morrendo, na cara. Rindo, ele o socou fortemente na cabeça, abdomem e no que sobrara de suas costelas. A tortura nunca parecia ter fim, mas finalmente, o grande ruivo parou para admirar seu trabalho. Um grande erro! Nail tomou a oportunidade para pegar rapidamente um pouco de ar. Seus olhos fixos em direção a Rikum e deles saíram dois raios laser amarelos que foram capazes de perfurar seu inimigo.

Rikum caiu de joelhos, largou o pulso do Namekuseijin e colocou suas mãos nos dois ferimentos em seu torso. Ele respirava com dificuldade e maldosamente.

Levantando-se, Nail se permitira antes de explicar a Rikum, “Você deveria ter sido mais cuidadoso.” O último olhou para ele e tentou suportar a dor. Ele ficou abismado ao ver que Nail havia regenerado seu corpo em apenas uma pausa de alguns poucos segundos! Nail arrancou sua jaqueta e largou um chute que Rikum não poderia evitar.

Rikum bateu no chão e ficou imóvel. Mas seus pensamentos estavam emaranhando-se. Ele estava furioso. Ele se recordou de si mesmo encarando Nappa a mais de trinta anos atrás. Ele era mais forte do que ele. Ele sempre havia sido. E de alguma forma, por acaso, eles ambos enfrentaram Namekuseijins do mesmo universo, certamente com poderes equivalentes. Nappa havia ganhado tão rapidamente... e ele... ele estava perdendo... ou até mesmo morrendo? Ele não foi cuidadoso, ele percebeu repentinamente...

E ele merecia sua morte...

“Morte? Não, eu não vou morrer aqui! Não contra essa coisa verde! Impossível!”

Rikum parecia ter retornado a vida. Ele gritou, fazendo Nail encolher-se de medo. Nail se virou em defesa. Mas, apesar de estar enraivecido e gritando, Rikum permaneceu no chão. O Namekuseijin preferiu assegurar sua vitória... Ele caminhou e violentamente enterrou seu pé firmimente na barriga do homem no solo, estilhaçando para longe um pedaço de armadura.

Dessa vez, silênciosamente, respirando calmamente, Rikum caiu em inconsciência. Os apresentadores começaram a contar. Nail respirou em alívio porque, apesar de sua habilidade para se regenerar, ele estava agora ficando sem energias.

“E TRINTA! Nail vence a luta!” declarou o apresentador.

Suspirando, o Namekuseijin imediatamente partiu para se juntar ao seu grupo para descansar e ser parabenizado por seus amigos. No ringue, os organizadores Namekuseijins estavam ocupados trazendo Rikum para o seu Universo, onde Freeza ordenou que o levassem até a sala de tratamentos de sua nave. Ele foi acompanhado pelo resto das Forças Ginyu, todos com rostos preocupados.

No espaço do Universo 18, dois homens e um Namekuseijin estavam conversando sobre a luta que havia acabado de terminar.

“É uma pena que nós não tivemos Nail para nos ajudar contra esse comando em Namekusei!” Gohan disse depois deles terem discutido as forças e técnicas que fizeram Rikum negligente. (Goku também se beneficiou da imprudência de Rikum para mostrar explicitamente a Uub que isso poderia ser fatal.)

“Eu me pergunto o que ele estava fazendo ao invés de nos ajudar em Namekusei,” Vegeta respondeu a Gohan se lembrando que eles estavam sendo espancados por Rikum até a chegada de Son Goku.

Ao lado dos Saiyajins, Piccolo se contorceu ligeiramente. Tinha Vegeta esquecido que Nail estava dentro dele? Um momento. Ele ao menos sabe disso? O Namekuseijin estava prestes a contar para eles que ele próprio havia lutado contra Freeza para ganhar tempo... mas mudou de ideia... uma pena... ele não especificou que estava muito quebrado...

Na ala do Universo 8, enquanto Freeza enfurecia-se interiormente, Coola se aproximoou dele com uma mão em seu ombro. Para a surpresa de Freeza, ele pensou que seu irmão veio para elevar sua moral. Pfft, que ideia!

“Haha! A Lendária Forças Especiais Ginyu é simplesmente muito poderosa! Todos eles perderam, e tão rapidamente!”

“Coola, pare de incomodar seu irmão,” Rei Cold interveio antes que a briga se intensificasse.

“Nós veremos o quão bem seus escravos irão se sair,” retrucou Freeza olhando para Sauza que estava parado bem atrás de Coola. “E nós veremos como você mesmo irá se sair!”

“Eu não estou sob nenhuma ilusão, Eu...”

Ele fora interrompido pelo anúncio da próxima luta... Trunks do Universo 12 contra... Coola do Universo 8!

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu