DB Multiverse

Notícias Ler Minicomic Fanarts Autores FAQ Rss Feed Bônus Eventos Promos Parceiros Ajuda Torneio Ajuda Universo
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

Dragon Ball Multiverse, o romance

Escrito por Loïc Solaris & Arctika

Adaptado por Rafael

Tradução da fanfic francesa de DBM para o português

Intro

Parte 0 :0
Parte 1 :12345

Round 1-1

Parte 2 :678910
Parte 3 :1112131415
Parte 4 :1617181920
Parte 5 :2122232425
Parte 6 :2627282930

Lunch

Parte 7 :3132333435

Round 1-2

Parte 8 :3637383940
Parte 9 :4142434445
Parte 10 :46
[Chapter Cover]
Parte 2, Capítulo 10.

PARTE 2: MUITOS VELHOS INIMIGOS POR AQUI!

Capítulo 10

Traduzido por Rafael


“Mas que saco...”

Bra sabia como passar o tempo. Ela pensou que vindo à um evento como esse iria ser divertido... Grande erro. As primeiras lutas foram dolorosamente tediosas. O público abertamente concordou, e as vaias podiam ser ouvidas de todos os ângulos. Não ajudou a próxima luta ter demorado a ser anunciada. Os organizadores devem estar discutindo entre si... Perdida em meio a pensamentos, Bra mal notou Pan tentando confortá-la.

“Quando seu irmão ou seu pai lutarem, deverá ser mais interessante para você, não é?”

“Eu não sei,” simplesmente respondeu a garota de cabelos púrpuras.

Bra nunca tinha sido realmente uma amiga próxima de Pan... Na verdade, elas raramente se viam; somente em ocasiões tais como essa ou em reuniões na Corporação Cápsula... Elas haviam brincado muito juntas em um ponto de suas vidas, mas seus interesses logo divergiram; uma queria lutar, e a outra preferia moda.

Por conta disto, Bra sempre tinha achado o comportamento de Pan e seu jeito de pensar como sendo imaturos. Ela notou que até mesmo suas diferenças física influenciavam em seus jeitos de pensar. Bra, somente dois anos mais velha que Pan, era bem alta e fisicamente bem formada. Pan era do tamanho de uma criança de dez anos de idade no máximo(de acordo com Bulma). Ademais, ela tratava o fato de que ela não era “reta e sem curvas” como uma desculpa para afirmar que “lutas não eram compatíveis com feminilidade.” Além disso, quando você olha para a mãe dela, Videl...

“Ei, você está me escutando?”

“Sim, sim, estou escutando, Pan,” Bra respondeu. “Eu estava apenas perdida em pensamentos.”

“Então você não estava escutando!”

“Umm...”

Bra se levantou. Fazia cerca de vinte minutos desde que elas começaram com essa desinteressante conversa. Isso já era o suficiente!

“Eu vou dar uma volta por ai... Você vem?” Bra perguntou, mais por educação do que por um desejo real de ser acompanhada pela mais garota nova.

“Nem pensar,” respondeu a pequena garota enquanto pulava do banco. “As lutas poderão recomeçar a qualquer segundo. Eu vou me juntar a minha mãe.”

Raramente, Videl visitava e falava com a família Briefs. Era mais como se as duas garotas fossem forçadas a conversa uma com as outras do que terem realmente uma conversa genuína. É preciso confessar que Videl e sua filha eram muito melhores em lutar do que em fofocar!

Felizmente, Gohan retornou com seu irmão e pai. Videl veio para encontrar com seu marido, o qual parou de caminhar para esperar os outros dois membros de sua família se juntarem ao resto do grupo.

“O mesmo que há trinta anos atrás,” Gohan respondeu. “Eu nem tenho certeza se descobri alguma coisa a respeito.”

“Mas você é mais forte que ele, certo?” Pan perguntou, que tinha acabado de se juntar ao seus pais.

“Mas é claro, não se preocupe quanto a isso,” tranquilizou seu pai com um gentil palmadinha em sua cabeça.

Perto dali, Goku repetiu a conversa com Cell palavra por palavra para Vegeta e Piccolo, enquanto Goten deixava a área com Trunks.

“Eu acho que ele está brincando conosco,” disse o Príncipe Saiyajin assim que seu rival terminou, braços cruzados.

“Certamente,” Piccolo respondeu. “Este é um caso complicado, não se esqueça. Tudo o que ele disser pode ser uma mentira.

“Eu teria gostado de descobrir mais sobre ele,” Goku reclamou.

“A presença de Broly não é o suficiente para você?” o Namekiano comentou, braços também cruzados.

“Ele pode apenas permanecer congelado...” Vegeta respondeu com pouca crença em suas próprias afirmações.

“Ainda sobre esse assunto,” disse Piccolo, ignorando as reclamações de seu ex-inimigo, “Eu quero ir falar com os organizadores sobre ele. Ele me preocupa...”

“Você acha que pode fazer algo a respeito sobre isso? Você?” vegeta respondeu, surpreso, com um pouco de desdém em sua voz.

“Veremos.”

Sem mais uma única palavra, Piccolo voou sobre o espaço do Universo 20, aonde alguns Vargas e Namekuseijins estavam ocupadamente cuidando do bloco de gelo contendo Broly.

Gohan se aproximou de seu pai e Vegeta sem Pan ou Videl, que estavam conversando entre si,(Pan estava contando a Videl sobre como ela iria vencer sua primeira luta).

“Onde está Piccolo?” O filho mais velho de Goku perguntou.

“Conversando com os Vargas sobre Broly,” Seu pai respondeu simplesmente olhando.

“Oh... Então o que você pensa sobre esses Vargas?” questionou Gohan.

“Eu ainda não confio neles,” Vegeta disse rapidamente.

Eu gosto deles,” Goku respondeu. “Por causa deles, nós estamos participando desse torneio incrível!”

“Eu não gosto da ideia de reunir tantos monstros assim,” Gohan assertiu, concordando com Vegeta pela primeira vez. “Os Vargas definitivamente tiveram uma má ideia.”

“Você é muito paranoico Gohan,” disse seu pai, apontando para ele. “Não parece nem mesmo você. Há realmente aqui alguém que poderia representar perigo real para nós? O Universo16 parece ser idêntico a nós... Se alguma coisa má acontecer, eu tenho certeza que o bem prevalecerá.”

“Eu espero,” Gohan disse simplesmente, virando sua cabeça para Pan.

Goku colocou sua mão no ombro de seu filho. “Não se preocupe sobre isso. Mas quer saber, se você está tão preocupado com isso você poderia participar...” Goku tentou mais uma vez persuadir seu filho.

“Ah por favor, apenas pare com isso, Pai!”

“Estou brincado, estou brincado!” Goku riu enquanto dava alguns passos para trás. “Ei, onde está Uub?”

Olhos buscando seu pupilo, o professor o achou passando correndo pelo espaço do Universo 15...

“Bem... Finalmente ele está a sério,” Goku comentou.

“Você está surpreso?” Gohan perguntou. “Ele é seu estudante.”

“Eu devo ser um bom professor!” Goku brincou. “Hmm... Universo 15. Aquele é o universo daquele tal de “Icicle”, certo?”

“O nome dele é I'K'L, Kakarotto, I'K'L,” Vegeta suspirou com uma ponta de irritação.

“Mas sim,” Vegeta continuou. “um recém-nascido lutando em um torneio,” ele debochou, virando sua cabeça para olhar até o espaço 15.

“Esse torneio continua a ficar cada vez mais estranho,” disse Gohan.

“Ele deve ser inacreditavelmente forte de nascença!” Goku esperava, jovial.

“Hmph, impossível!” Vegeta zombou. “Você saba que mesmo Broly tinha apenas 10.000 de poder de nascença!”

“Oh,” Goku disse, um pouco desapontado sobre o comentário de seu rival. “Você nunca tinha dito isso para nós...”

“Quer ir falar com ele? Er... Ela? Quero dizer... Aquilo?” Gohan propós.

“Não doeria.” Goku respondeu.

“Certo, eu irei,” disse Gohan, virando-se para caminhar.

Enquanto que Gohan deixava seu espaço, ele podia ouvir Goku e Vegeta conversando sobre o que eles iriam desejar caso um deles vencesse o torneio. Ele teria gostado de ouvir a conversa deles um pouco mais, mas Videl o parou para perguntar aonde é que ele estava indo.

“Eu quero falar com I'K'L. Quero dizer, com a mãe de I'K'L.”

“Posso ir com você?”

“Claro.”

Juntos, Gohan e sua esposa caminharam em direção ao muro que definia sua área, onde Trunks e Goten permaneciam conversando, apontando para os diferentes universos e dando suas próprias opiniões sobre cada um deles.

“O que vocês estão fazendo?” Gohan perguntou enquanto pulava sobre o muro baixo.

“Estamos dando um prognóstico,” seu irmão respondeu. “Tentando classificar todos os lutadores.”

Gohan ficou surpreso com o fato de que seu irmão sabia o que “prognóstico” significava. “Então, qual é a sua conclusão no momento?” Ele perguntou enquanto educadamente ajudava sua esposa a pular a muro.

“Gotenks vai chutar traseiros, mas é claro!” disse os dois jovens guerreiros juntos.

“O que vocês iriam desejar, então?” Videl perguntou dessa vez, ainda agarrada ao braço de seu marido.

“Hmm. Essa é uma boa pergunta,” respondeu Trunks. “Goten, você tem alguma ideia?”

“Não mesmo...” respondeu seu melhor amigo. “Eu não havia pensado sobre isso...”

“Nós vamos deixa-los aqui pensando, então!”

Gohan e Videl continuaram sua jornada, deixando Trunks e Goten em meio a pensamentos como Vegeta e Goku.

“Vamos continuar com a nossa Grande Tour?”

Sim, mas é claro.”

De mãos dadas, Gohan e sua esposa lentamente caminharam em direção ao seu destino. Eles discutiam cada universo que encontravam ao longo do caminho, começando pleo décimo nono. Eles passaram por Uub pelo caminho enquanto cruzavam o espaço do Universo 2, o qual todos os guerreiros se encontravam ausentes. Uub se curvou sem parar, e os dois amantes o deram um gesto de encorajamento. Os Universos 3, 4, 5, 9 e 12 todos pareciam estarem vazios.

Gohan deu suas opiniões sobre cada universo que lhe era familiar. Enquanto passava pelo Universo 14, eles cruzaram o caminho com Bra, que parecia estar entediada como sempre e estava caminhando na direção oposta. Eles não disseram muito uns para os outros, mas eles notaram um sorriso tímido que Uub deu para Bra, que passou por eles novamente enquanto corria.

Depois que Uub passou por eles, Videl notou um sorriso na face de Bra, um sorriso que dizia muita coisa. A filha de Vegeta olhou para outro lado e continuou sua jornada. Assim que Videl e Gohan finalmente chegavam ao espaço 15, Videl se perguntava se existia algum tipo de paixão entre Uub e Bra.

“Eles são jovens...” Gohan começou. “Bra é bem bonita, isso não iria me surpreender em nada.”

“Mas Bra é mais ligada em moda... e Uub em lutas.”

“Talvez ela tenha uma queda por lutadores fortes? E eu acho que será difícil para ela achar alguém mais forte que ele.”

Espremendo o braço de seu marido um pouco forte, Videl se aconchegou nele. “Isso me lembra... Há vinte anos atrás...”

Gohan e Videl pararam logo do lado de fora do espaço do Universo 15. Enquanto a mãe de I'K'L os olhava, Gohan tomou Videl em seus braços. Seus olhares se encontraram, e pareciam se comunicar... Finalmente, eles roçaram seus lábios juntos para um beijo; um beijo com mesma paixão fervente que não havia mudado em vinte anos. Depois de alguns momentos, quando não parecia haver nada mais no universo além deles dois, Videl de repente se sentiu constrangida. “Ela está nos encarando...”

Os lábios de seu marido a deixaram para que ele pudesse virar sua cabeça e olhar. Ele virou sua cabeça e viu a mulher do Universo 15.

“Olá!” Gohan disse, levantando a mão para cumprimentá-la.

A mulher não respondeu ou se moveu, mas seu olhar endureceu.

“Você não sabe como falar?” Gohan tentou mais uma vez estabelecer comunicação.

“Mas é claro, eu sei como falar!” a mulher respondeu secamente.

Ela parecia muito chateada. “Se meu I'K'L tivesse nascido,” ela continuou, “então vocês não iriam querer falar comigo! Vocês teriam percebido a força de minha criança e tremeriam!

“hm... Um bebê não pode ser tão forte,” Videl adiantou com boa razão.

“Eu não posso tolerar tamanho absurdo vindo de uma mulher despeitada,” respondeu a mulher.

“Eu, despeitada!?” Videl disse furiosamente, braços esticados ao longo de seu corpo, punhos cerrados, e a cabeça inclinada levemente para frente. “Pelo menos os meus seios não são caídos ao ponto de passarem do meu estômago!” Ela devolveu.

“Você não sabe nada sobre verdadeira beleza,” a mulher simplesmente respondeu.

Videl tentou atravessar para dentro do espaço da mulher, mas Gohan rapidamente a parou ao agarrar seu ombro.

“Não. Esqueça, Videl.”

“Mas, Gohan! Eu não irei-”

“Quem se importa com o que ela acha?” Gohan cortou. “É apenas a opinião de uma pessoa. Ela não quer ser amigável, e nós não temos o direito de procurar arranjar problemas com os outros competidores... Vamos apenas deixar isso pra lá e ir.”

“Sim... Você tem razão,” Videl respondeu, se acalmando.

“Que pena... Outro universo do qual nada aprendemos,” Gohan pensativo disse enquanto os dois estavam à metade do caminho de seu espaço.

“Me desculpe, Gohan. Eu me deixei levar.”

“Não se preocupe sobre isso,” Gohan respondeu. “Se você não tivesse dito nada de volta eu certamente o teria.”

Videl corou-se. “Oh, Gohan... “

Eles retornaram ao seu espaço juntos com Uub, que continuou com seus aquecimentos. Gohan e Videl viram que Vegeta e Goku estavam discutindo sobre o melhor desejo possível.

“Um gigantesco profiterole¹!” Goku bradou.

“Um carro esportivo!” Vegeta respondeu, suando.

“Uh... Meu profiterole é bem mais criativo do que o seu carro. Eu venci!” Goku disse com um senso de triunfo.

Vegeta gruniu... Mesmo esse jogo sendo estúpido, ele ainda sim perde. Era bom em um sentido, na verdade lhe convinha. Isso prova que ele não liga para perder tanto quanto seu rival.

"O que vocês dois estão discutindo?" Videl perguntou.

“Bem, nós conversamos sobre o que iriamos pedir, e Vegeta disse que minha idéia era estúpida. Eu disse que não, que a ideia dele era pior, e dei um exemplo.”

“Ele me provocou,” Vegeta seguiu, “me dizendo que eu nunca iria achar um desejo pior do que o meu. Mas depois de alguma reflexão, eu acho que tenho ideia de um desejo muito mais estúpido.

“Percebo...” disse Gohan. “Isso não é tudo um pouco... infantil?”

“Repita isso!” Vegeta gritou, mas sem raiva verdadeira.

O apresentador de repente gritou nos quatro microfones que segurava em seus quatro braços. Sua voz ecoou alto. “O torneio continua, senhoras e senhores! Nós agora chamamos Majin Buu do Universo 11 a Bujin do Universo 6 para o ringue!”

Profiterole é uma sobremesa feita com uma massa açucarada (conhecida como choux) recheada com cremes, sorvetes e caldas de acordo com a preferência do consumidor. O doce é bastante popular na França, país no qual foi considerado uma iguaria real em meados do século XVI. Atendendo a um pedido de Catarina de Médicis, soberana da França na época, um chef italiano criou a receita.¹ (Fonte: Wikipédia)

Comentários sobre esta página:

Carregando os comentários...
[pt_BR]
EnglishFrançais日本語中文EspañolItalianoPortuguêsDeutschPolskiNederlandsTurcPortuguês Brasileiro
MagyarGalegoCatalàNorskРусскийRomâniaCroatianEuskeraLietuviškaiKoreanБългарскиעִבְרִית
SvenskaΕλληνικάSuomeksiEspañol Latinoاللغة العربيةFilipinoLatineDanskCorsu